SINPOL e a campanha Polícia Legal no Maranhão

por Jorge Aragão

Em busca da valorização, moralização, e do fortalecimento da Polícia Civil do Maranhão, o SINPOL-MA disponibilizou peças publicitárias do movimento Polícia Legal.

Com o slogan “Chega de improviso: segurança pública é coisa séria”, os banners denunciam situações que retratam a falta de uma estrutura de trabalho suficiente para a realização das atividades da Polícia Judiciária.

Em uma das peças, a imagem de um criminoso preso. Na falta de algemas na delegacia, foi utilizada uma corda para imobilizar as mãos, em referência a uma “polícia de improviso”.

Para o sindicato, o objetivo é despertar a consciência dos policiais civis para a necessidade de combater os abusos promovidos pelo Estado, bem como esclarecer a sociedade maranhense sobre a função da Polícia Civil.

“Chega de driblar as deficiências e o descaso do poder público. Iremos lutar por dignidade e exercer nossa função como determinam as atribuições legais”, asseverou o presidente do SINPOL-MA, Elton Neves.

SINPOL denuncia precariedade das delegacias do Sul do Maranhão

por Jorge Aragão

Através da sua página, o SINPOL – Sindicato dos Policiais Civis – denunciou a precariedade das delegacias do Sul do Maranhão, principalmente a Delegacia da Mulher de Imperatriz. Os policiais também aproveitaram para demonstrar e reafirmar que são alvos de perseguição, caso “ousem” denunciar a triste realidade das delegacias. Veja abaixo as fotos e o desabafo da categoria.

Ano novo, problemas velhos. As delegacias de polícia pública no interior do Estado continuam insalubres e deterioradas. Alguns problemas são comuns em todos os imóveis, como péssimas condições estruturais, com paredes rachadas e tetos cedendo, falta de alojamentos adequados de trabalho, entre outras carências materiais.

Na Delegacia da Mulher de Imperatriz (DEM), por exemplo, as fotos denunciam a precariedade do teto da unidade policial. Parte do forro do cartório está caindo. Sujo, com mofo nas paredes e fezes de gato. Mesmo o prédio estando em condição inabitável, a ordem da SSP é usar parte da frente da delegacia.

Os relatos são preocupantes. Os servidores não podem usar as redes sociais para denunciar que as delegacias funcionam à base do improviso. “Isso acarreta em transferência para outra cidade”, dispara um policial civil.

Em 2017, a direção do Sinpol/MA encontrou situações em que policiais civis faziam cota para comprar botijão de gás, além de delegacia incendiada, delegacias afetadas com a suspensão de serviços de internet, delegacias com ordem de despejo, com corte de luz e de energia.

Em 2018, o Sinpol/MA continuará cumprindo o dever de mostrar a realidade do sistema de segurança pública do Maranhão.

E assim segue o Governo Flávio Dino, entrando no seu último ano de mandato e buscando a reeleição.

O desabafo de uma delegada no Maranhão

por Jorge Aragão

O desabafo de uma delegada do Maranhão nas redes sociais, é apenas mais uma prova de como a Polícia Civil tem sido destratada no Governo Flávio Dino.

O Blog já demonstrou policiais civis sendo despejados da Delegacia de Peritoró (reveja) e duas delegacias – Paraibano e Carutapera – que tiveram as energias cortadas (reveja). Isso sem falar no triste caso, que virou destaque nacional, de um comerciante que perdeu a vida em Barra do Corda, após ter sido trancafiado em uma jaula (reveja).

Agora foi a delegada de Imperatriz, Virginia Loiola, que, na sua página de facebook, relatou mais um absurdo que vai acontecendo na Segurança Pública do Maranhão, na gestão comunista. A delegada afirma que por falta de pagamento da internet, as ocorrências não podem ser registradas, salvo quando os próprios policiais levam o computador para a delegacia. A delegada finaliza afirmando que “estamos pagando para trabalhar”. Veja abaixo.

Definitivamente não tem como negar que a Polícia Civil não é uma prioridade para o Governo Flávio Dino.

E assim segue, em Imperatriz, Paraibano, Peritoró, Carutapera e em todo Maranhão, o Governo da Mudança de Flávio Dino.

A questão é a prioridade de cada governo…

por Jorge Aragão

O problema para o Governo Flávio Dino jamais foi a falta de dinheiro, mas sim a questão da escolhas de prioridades e já ficou claro que as delegacias do Maranhão estão longe de serem as prioridades.

O caso da “gaiola da tortura” da Delegacia de Barra do Corda, que ganhou destaque nacional após a morte de um comerciante, não é um caso isolado do descaso da gestão comunista com as delegacias.

Recentemente, também ganhou destaque nacional o despejo de policiais da Delegacia de Peritoró por falta de pagamento do prédio locado (reveja). O Blog do Jorge Aragão também já demonstrou, com fotos inclusive, pelo menos duas delegacias que tiveram as energias cortadas por falta de pagamento.

Em todos os casos, a resposta para a incompetência foi sempre a mesma: culpa do Governo Roseana.

Só que além do fato de que o Governo Flávio Dino ter sido iniciado em janeiro de 2015, ou seja, mais de 1000 (mil) dias à frente do Maranhão, em todos os casos acima a gestão comunista tinha o conhecimento do problema e não solucionou.

No caso da Delegacia de Peritoró, o SINPOL (Sindicato dos Policiais Civis) já havia informado sobre o problema, mas nada foi feito e culminou com o vergonhoso despejo.

Já no caso da Delegacia de Barra do Corda, a Defensoria Pública do Estado (DPE/MA) alegou que houve omissão das autoridades, inclusive do Governo Flávio Dino, para solucionar o problema, que culminou com a morte de uma pessoa.

Na contramão do desleixo do Governo Flávio Dino com as delegacias de polícia do Maranhão, o orçamento da Secretaria de Comunicação do Maranhão, comandada por Márcio Jerry, tem apenas aumentado ano após ano.

E o Blog nem vai precisar dizer que o Governo Roseana deixou a nova Delegacia de Barra do Corda em execução, pois está claro que a questão é a prioridade de cada governo.

No Governo Flávio Dino, fatalmente as delegacias não são uma prioridade, já a Comunicação…

“Tirar leite de pedra”, diz novo vídeo institucional do SINPOL/MA

por Jorge Aragão


 
O Sindicato dos Policiais Civis do Maranhão (SINPOL/MA) lançou, nesta segunda-feira (02/10), sua nova campanha institucional. A situação abordada no vídeo mostra o leite escorrendo de uma pedra, em referência a uma conhecida expressão popular “Tirar leite de pedra”.

Essa nova etapa da campanha, que será veiculada na TV Mirante, reforça junto ao telespectador que, mesmo em condições precárias de trabalho, baixíssimo efetivo policial, salários desproporcionais e pouco apoio do Governo Flávio Dino e da Secretaria de Segurança Pública, a Polícia Civil tem conseguido bons resultados apesar das condições difíceis.

Em São Luís, o anúncio do SINPOL-MA, de 30 segundos, será exibido em intervalos dos programas Bom Dia Mirante e Encontro com Fátima Bernardes, nos dias 02, 04 e 06 de outubro. Na cidade de Balsas, o vídeo vai rodar nos telejornais locais Bom Dia Mirante e 1ª edição do JMTV. Nos municípios da região dos Cocais, a população poderá ver o anúncio no jornal local de meio dia da TV Mirante. Já em Santa Inês, a campanha será veiculada no intervalo do Bom dia Mirante. Nas demais cidades do interior do Maranhão, o vídeo será exibido todos os dias, até a próxima sexta-feira (06/10).

Mais uma prova do descaso com a Segurança no Governo Flávio Dino

por Jorge Aragão

O Blog do Jorge Aragão já havia demonstrado outros exemplos do descaso do Governo Flávio Dino com a Segurança Pública no Maranhão.

No início deste mês, para nem precisar ir mais longe, o blog destacou que delegacias no interior do Maranhão estavam tendo as energias cortadas por falta de pagamento (reveja). Mais cedo o blog repercutiu uma postagem do SINPOL (Sindicato dos Policiais Civis) demonstrando o abandono da Polícia Civil na atual gestão comunista (reveja).

Só que como desse governo só se pode esperar o pior, pois aconteceu nesta sexta-feira (22). A delegacia de Polícia Civil de Peritoró terá que mudar de endereço, pois já recebeu a ordem de despejo pelo não pagamento do aluguel do prédio pelo Governo Flávio Dino, como destacou o Blog do Acélio Trindade. Veja abaixo o depoimento de um dos representantes do SINPOL.

Fatalmente essa não foi a mudança propagada pelo governador Flávio Dino e seus asseclas.

Polícia Civil pede socorro

por Jorge Aragão

Uma visita itinerante do Sindicato dos Policiais Civis do Maranhão (Sinpol-MA) percorreu entre os dias 18 e 19 de setembro, as cidades subordinadas a 6ª Delegacia Regional de São João dos Patos, dentre elas: Colinas, Barão de Grajaú e Paraibano, com objetivo de manter o diálogo permanente com a categoria. E como não tem sido diferente, foram detectadas inúmeras e já conhecidas irregularidades nas delegacias, o que evidencia e ratifica o total abandono a que a Polícia Civil do Estado do Maranhão tem sido submetida diariamente.

Na delegacia de Colinas, o diretor de formação sindical, Neto Waquim, pode constatar o pior cenário possível: falta de efetivo; desvio de função, o que prejudica de sobremaneira a atividade investigativa da Polícia Civil; péssima estrutura da unidade; e superlotação, com 50 presos de justiça.

Aos fundos da delegacia, pasmem, uma espécie de mini-favela prisional, que foi construída pelos próprios presos e que serve de morada para 16 detentos. É possível ver na imagem abaixo, que a estrutura do “prédio” é frágil, não existe grades, e que os presidiários transitam livremente pelo local. O ambiente tem mais características de um sítio, do que uma unidade prisional.

De forma incisiva, o sindicalista fez, em vídeo, um relato da situação de caos que atinge a delegacia de Colinas.

A falta de viaturas e sucateamento das mesmas foi identificada em todas as delegacias submetidas à 6ª Regional, o que demonstra o total descompromisso da Secretaria de Segurança e do governador do estado, com a Polícia Civil. Em Barão de Grajaú, o prédio reformado pela população, abriga atualmente 26 presos. Na delegacia de Paraibano, o jurídico do Sinpol-MA participou de uma reunião com os servidores.

Com tudo isso, é claro e proposital a falta de investimento direcionado a Polícia Investigativa. De todo valor disponibilizado, neste ano de 2017, para a pasta de Segurança Pública, o montante direcionado para a Polícia Civil não chega nem a 1%. Acreditem, apenas 0,7% (ZERO virgula sete por cento) do total foi “investido” na Polícia Civil.

Clique aqui e continue lendo

Vergonha: delegacias de polícia no Maranhão tem energia cortada

por Jorge Aragão

O Governo Flávio Dino protagoniza mais uma vergonha no Maranhão. Pelo menos duas delegacias de polícia tiveram suas contas de energia cortada por falta de pagamento. A informação foi confirmada no site do SINPOL (veja aqui).

O caso mais recente foi em Carutapera, quando a Delegacia de Polícia teve sua energia cortada na última sexta-feira (01), por falta de pagamento. Pior é que essa não foi a primeira vez, somente este ano já foi a quinta vez que a energia da delegacia teve que ser cortada por inadimplência. Por conta de sucessivas interrupções do fornecimento de energia elétrica, o registro de flagrantes de crimes já chegou a ser realizado no Fórum da cidade.

Carutapera foi a segunda cidade que o fato vergonhoso aconteceu recentemente. No fim do mês de agosto, a Delegacia de Polícia de Paraibano também teve a energia cortada por falta de pagamento.

Para o presidente do SINPOL-MA, Elton Neves, outras unidades policiais podem enfrentar os mesmos problemas. “Quantas delegacias não estão nessa mesma situação, com contas pendentes, funcionando em prédios alugados e insalubres? O que está faltando é visão administrativa para os nossos governantes”, declarou.

E assim segue a Segurança Pública do Governo Flávio Dino.

Crise que só aumenta na Segurança Pública

por Jorge Aragão

Sinpol se manifestou contra o Governo na semana passada

Ao que tudo indica, o governador Flávio Dino (PCdoB) deve enfrentar dias nada agradáveis à frente do Poder Executivo Estadual.

Apesar do forte poderio midiático, Dino já não conta com a simpatia de delegados e policiais civis, que em menos de uma semana lançaram notas de repúdio, respectivamente, à condução da Segurança Pública do Maranhão.

Na semana passada, o Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol) lançou manifesto e classificou a gestão comunista de “Governo da propaganda, da mídia e da ilusão”.

Ontem a manifestação foi da Associação dos Delegados de Polícia Civil (Adepol), que repudiou a falta de diálogo do Governo com a categoria e a alteração de lei estadual que, segundo os delegados, trata-se de uma medida “antidemocrática”.

Diálogo, aliás, foi uma palavra muito explorada pelo governador Flávio Dino durante a campanha eleitoral de 2014. Tanto que, ainda na pré-campanha, ele lançou o “Diálogos pelo Maranhão”.

Era só o que pregava.

A bem da verdade é que os “diálogos” parecem ter ficado apenas no conceito da gestão comunista. Na prática, sobretudo para as categorias que fazem a segurança pública do Maranhão, o que prevalece é a “propaganda, a mídia e a ilusão”.

E por tudo isso, dias turbulentos estão por vir…

Do blog de Ronaldo Rocha

Desilusão sindical

por Jorge Aragão

Flávio Dino / Foto: Karlos Geromy/Secom

Numa das mais contundentes críticas ao governo Flávio Dino (PCdoB) nestes quase três anos de mandato, o Sindicato dos Policiais Civis do Maranhão (Simpol), classificou a gestão comunista de “governo da propaganda, da mídia, da ilusão”, e desqualificou todo o sistema de segurança pública de Flávio Dino.

A crítica do Simpol torna-se mais dura porque o sindicato esteve com Flávio Dino nas eleições de 2014; e apostava todas as fichas na falácia de modernização do sistema e valorização dos profissionais do setor.

Mas tudo não passa de propaganda, segundo lembra a nota. “Embaladas por soluções paliativas, as propagandas da gestão estadual, com suas novas viaturas mostradas à exaustão ou mesmo com suas formaturas de novos, mas insuficientes pelotões, querem fazer crer que o Governo do Estado está preocupado com a segurança e que tem nesta uma de suas prioridades. História contada, falácia revelada!”, diz o documento.

A desilusão do Simpol é a mesma que vivem os professores abrigados no Simproessema, que também vestiu a camisa do comunismo em 2014. Mas também não será o único.

Além deles, outras centenas de servidores mostram-se insatisfeitos com a política de Flávio Dino para os servidores estaduais. E prometem fazer paralisação conjunta, de advertência, abrigados em uma série de sindicatos – Sintsep, Sindspen, Sindisesma, Sinfa-MA, SindisFunac, Simoema, SintUema, Sindet, SindUema, Sintag, Aspem, Adepol, Audima e AAgpen – na próxima quinta-feira, 5.

São categorias que vestiram a camisa do comunismo em sua maioria; e que hoje, a exemplo de Simproessema e Simpol, também sofrem a desilusão com o governo.

Resta saber até quando durará a chateação, já que o Maranhão encontra-se às vésperas de mais um período eleitoral.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão