Deputado comunista volta a criticar gestão de Portela na Segurança

por Jorge Aragão

O deputado estadual e ex-secretário de Segurança, Raimundo Cutrim (PCdoB), voltou a criticar a gestão de Jefferson Portela à frente da Secretaria de Segurança no Governo Flávio Dino.

Ao destacar a entrega de viaturas pelo governador, Cutrim ressaltou que Flávio Dino está investindo no setor, mas que os resultados são poucos e que a Segurança está ruim.

“O governador está investindo muito na segurança, embora os resultados sejam muito poucos. Se a gente disser que a segurança está boa no Estado estaríamos mentindo, está muito ruim”, afirmou o parlamentar que recentemente também fez duras críticas a Portela (reveja).

Cutrim também afirmou que as reformas da Polícia Civil e Militar fez com que o Maranhão retroagisse 20 anos. O parlamentar comunista ainda criticou a quantidade de coronéis existente, já que para ele é um número excessivo.

“Tudo que tem ainda hoje no sistema de segurança pública foi na nossa gestão. Essas duas reformas da Polícia Civil e da Polícia Militar retroagimos 20 anos atrás. Veja bem que hoje temos 36 ou 37 coronéis e precisávamos no máximo de 15. Em São Paulo, se a gente verificar, tem 100.000 policiais militares e só tem 61 coronéis. Aqui nós temos 12, não sei se chega a 12.000, temos mais de 36 coronéis”, ressaltou.

O ex-secretário de Segurança encerrou criticando colegas deputados e prefeitos do Maranhão que estão tentando colher dividendos políticos com a chegada das viaturas. Cutrim disse que o critério precisa ser técnico e não político.

“Nós temos que ter em mente que nem deputado e nem prefeito tem interferência em levar viatura para um lado ou para outro, isto é um trabalho técnico. Os comandantes elegem suas prioridades e ai vai a viatura”, encerrou.

Quem cala, consente???

por Jorge Aragão


É no mínimo curiosa a estratégia utilizada pelos comunistas do Governo Flávio Dino após o forte discurso do deputado estadual Raimundo Cutrrim, também do PCdoB, durante a semana na Assembleia Legislativa (reveja).

Cutrim “detonou” os secretários de Saúde (Carlos Lula) e Segurança (Jefferson Portela). O parlamentar disse ainda que falta credibilidade para a Segurança do Maranhão que, na opinião dele, está na UTI.

“A Segurança acabou no estado do Maranhão, não existe. A Segurança no estado do Maranhão está na UTI, não existe, acabou. Falta de credibilidade”, disse Cutrim, a partir do quinto minuto no vídeo acima.

As palavras de Cutrim, por ser de um deputado da base do Governo Flávio Dino e do PCdoB, mesmo partido do governador, repercutiram fortemente, mas nem toda essa repercussão foi suficiente para uma resposta.

Os comunistas do Governo Flávio Dino, passando pelo próprio governador, e incluindo os secretários de Segurança e de Comunicação (Márcio Jerry), que também é presidente do PCdoB no Maranhão, optaram por um silêncio sepulcral.

Nem mesmo nas redes sociais, especialidade dos comunistas maranhenses, foi possível encontrar uma contestação da afirmação feita por Cutrim.

Resta saber se para os membros do PCdoB do Maranhão, ainda vale aquela antiga máxima de que “quem cala, consente”.

Deputado comunista “detona” Governo Flávio Dino

por Jorge Aragão

Pelo visto nem os aliados possuem mais paciência com o fraco Governo Flávio Dino. O deputado estadual Raimundo Cutrim, do mesmo partido do governador (PCdoB), “chutou o pau da barraca” e “detonou” o governo comunista nesta quinta-feira (01), na Assembleia Legislativa.

Cutrim iniciou suas críticas mirando alguns secretários do Governo Flávio Dino. Os alvos do deputado comunista foram os secretários Carlos Lula (Saúde) e Jefferson Portela (Segurança).

“A gente liga para o secretário de Saúde e ele nem atende, faz 90 dias que eu estou querendo marcar uma audiência com ele e não consigo, mais de 90 dias. E isso é uma falta de respeito com o deputado e com o político, porque eu não vou pedir aqui para o presidente da Assembleia intermediar uma fala minha com o Secretário, porque ali ele tem uma obrigação de atender todos os 42 deputados. Porque nós precisamos de uma informação, precisamos levar um pleito de um município, e nós não podemos porque o secretário não atende. Você liga para o secretário de Segurança, ele não atende. Eu larguei de ligar, liguei 10 vezes para marcar, mas deixei porque eu não preciso dele. Eu não preciso de segurança para nada, para quê? Eu fui secretário por quase 12 anos, mas nunca fui chamado para nada, pelo menos para dar uma opinião”, lamentou o parlamentar.

Raimundo Cutrim ainda disse que na semana que vem apresentará um Projeto de Lei que obrigue os secretários de Estado, a cada seis meses, a comparecem na Assembleia Legislativa para prestarem contas ao parlamento.

“Eu estou entrando agora com um projeto, na segunda-feira, para que os secretários sejam obrigados a semestralmente prestar contas de sua pasta perante a comissão ou o Plenário. É obrigatório sob pena de crime de responsabilidade. Porque os deputados, como fiscais do governo, precisam saber o que está acontecendo na Pasta”, afirmou Cutrim.

O deputado comunista também afirmou algo que muitos já falavam sobre a Segurança no Governo Flávio Dino, mas até o momento apenas os oposicionistas tinham a coragem de dizer, mas agora foi a vez de u governista admitir a realidade que vive o Maranhão no setor.

“A Segurança acabou no estado do Maranhão, não existe. A Segurança no estado do Maranhão está na UTI, não existe, acabou. Falta de credibilidade”, finalizou Cutrim.

Se até um deputado do mesmo partido do governador pensa assim, quem terá coragem de dizer o contrário?

Cutrim e Roberto Costa se solidarizam a Weverton Rocha

por Jorge Aragão

raimundo-cutrimOs deputados estaduais Raimundo Cutrim (PCdoB) e Roberto Costa (PMDB) se solidarizaram hoje, discount na Assembleia Legislativa, ao deputado federal Weverton Rocha (PDT), hostilizado ontem num aeroporto após apresentar emenda que tipifica crime de responsabilidade cometido por juízes e procuradores.

“Aqui tem uma emenda do deputado Weverton Rocha, que é maranhense, vejo os próprios maranhenses criticando, e não vejo nada demais em dividir as responsabilidades, disse Cutrim.

“Quer dizer que bandido só tem no Executivo e no Legislativo? A outra classe, na divisão dos Poderes, é toda só de deuses?”, completou

roberto-costaRoberto Costa lamentou o fato de Weverton Rocha quase ter sido agredido por manifestante contrário à proposta.

“O projeto do deputado Weverton não foi aprovado apenas pelo voto dele, foi aprovado por grande maioria da Câmara Federal, quase 350 votos, se eu não me engano. Foi um sentimento da Câmara Federal, e que o Congresso, com certeza também dará este mesmo seguimento. E ninguém pode ser atacado por defender uma ideia, por defender um projeto”, finalizou.

Deputado do PCdoB também questiona Caso SEFAZ

por Jorge Aragão

cutrimO deputado estadual Raimundo Cutrim, decease que além de ser da base do governador Flávio Dino, salve ainda é do mesmo partido, o PCdoB, utilizou a Tribuna da Assembleia Legislativa para comentar e questionar o polêmico Caso SEFAZ.

Cutrim, apesar de destacar outros trabalhos e a seriedade do promotor Paulo Roberto (responsável pelo caso), lamentou o suposto acordo entre o promotor e a juíza Cristina Leite, pois entende que deve existir independência entre os órgãos e chegou a levantar a possibilidade de suspeição dos dois agentes públicos.

“E nós não podemos, de forma nenhuma, concordar ou aceitar que há um acordo para que o juiz tenha que aceitar uma denúncia. O Ministério Público, a Justiça, a Polícia Judiciária faz o procedimento pré-processual, encaminha para o Ministério Público, que faz sua denúncia de acordo com o seu pensamento e com tudo que ali é constado nos autos, e o Poder Judiciário é o aplicador da lei. E é naquilo que nós nos agarramos, pois a gente tem que acreditar num Ministério Público forte, em um Poder Judiciário forte e numa Polícia Judiciária forte com independência. Então, a declaração do eminente promotor compromete de certa forma a magistrada. O que se espera da justiça é a imparcialidade, que deve decidir conforme a lei e não através de acordo como revelou o promotor de justiça. Diante desses fatos e por se tratar de um assunto de grande repercussão e complexidade, o mais sensato seria tanto o órgão máximo do Ministério Público, quanto do Poder Judiciário decidir pela suspeição dos dois”, afirmou.

MATEUS – Raimundo Cutrim também fez questão de destacar a sua preocupação com a inclusão do nome no caso do Grupo Mateus. O curioso, como bem destacou o parlamentar comunista, o Grupo Mateus sequer foi denunciado, mas acabou sendo citado e incluído no “olho do furacão” desnecessariamente.

“Não tenho procuração de ninguém, e falo por conta própria: O Grupo Mateus hoje emprega mais de vinte e mil pessoas diretamente. Paga mais de vinte milhões por mês de ICMS. É o maior arrecadador do Estado em ICMS. Tem mais de mil e trezentos representantes comerciais das indústrias que prestam assessoria a ele, a empresa. Tem cerca de dois mil promotores de vendas contratados pelos representantes, além dos vinte mil empregos diretos. Tem cerca de quinhentos caminhões próprios rodando no Estado. E aqui estou falando isso, não tenho procuração de quem quer que seja do Mateus para falar, a minha preocupação, que aqui estou dizendo, é com a credibilidade do grupo que pode sofrer sérios prejuízos em nosso o Estado por algo que sequer foi denunciado”.

O deputado Sergio Frota (PSDB), em aparte ao discurso proferido pelo deputado Raimundo Cutrim, frisou também que não acredita que o Grupo Mateus, com a assessoria jurídica que possui, e com a consultoria financeira que tem, iria fazer uso indevido de uma compensação de ICMS.

“Eu acho que não podemos prejulgar ninguém e devemos é valorizar uma pessoa que investe no setor produtivo. Hoje temos uma distorção grande no Brasil de investimento no setor financeiro. Também não tenho procuração do Ilson Mateus, o conheço pessoalmente, já tive oportunidade de contar com o apoio Grupo Mateus para o futebol maranhense e é uma pessoa que trabalha de segunda a segunda pela sua empresa, gerando empregos, investindo e dando oportunidade de vida a muitas pessoas. Eu acho que isso tem que ser esclarecido, mas não podemos fazer pré-julgamento”, declarou Sergio Frota.

Esqueceu Raimundo Cutrim, meu caro Flávio Dino???

por Jorge Aragão

cutrimcomunista

O governador Flávio Dino no afã de dar uma resposta, ambulance até certo ponto desnecessária, order sobre a violência desenfreada no Maranhão, medical tentou, mais uma vez, transferir responsabilidade.

De maneira simplória, Flávio Dino afirmou nas redes sociais que a violência aumentou pelo fato de que as quadrilhas de traficantes não eram combatidas.

flaviodinoface
O problema é que no intuito obsessivo de atacar a ex-governadora Roseana, Dino atinge diretamente o colega de partido, o recém-comunista e deputado estadual Raimundo Cutrim, que comandou a Segurança do Maranhão por aproximadamente dez anos.

É meu caro Flávio Dino, se o parâmetro for por maus tratos Raimundo Cutrim já deve está arrependido, pois ele pode até se considerar injustiçado no Governo Roseana, mas no governo anterior teve oportunidade e a própria governadora chegou a sair em sua defesa publicamente.

Já agora…

Cutrim X Mendes, a “pelenga” continua…

por Jorge Aragão

Raimundo Cutrim e Aluísio Mendes

Na semana passada, shop quando o deputado estadual Raimundo Cutrim votou contra a convocação do secretário de Segurança Aluísio Mendes, health para prestar esclarecimentos a Assembleia Legislativa, case muitos imaginavam que a paz entre ambos poderia ser selada, mas depois da Sessão Ordinária desta quarta-feira (21), ficou claro que a “pelenga” continua.

O deputado Jota Pinto apresentou Projeto de Resolução Legislativa querendo homenagear Aluísio Mendes com a medalha Manoel Beckman, maior honraria do parlamento maranhense. Geralmente, homenagens desta natureza não são contestadas e são aprovadas por unanimidade, mas esse caso foi exceção.

O ex-secretário de Segurança, deputado Raimundo Cutrim, não só foi contra o requerimento, como foi a Tribuna defender que o Projeto fosse rejeitado pelos colegas de parlamento. Jota Pinto não só reafirmou a intenção de homenagear Aluísio Mendes, como também foi a Tribuna para pedir que o Projeto fosse aprovado.

Para deixar as coisas bem transparentes, saber quem seria a favor e contra a homenagem, o deputado estadual Rogério Cafeteira pediu que a votação fosse nominal e assim foi feito. Por 15 votos favoráveis, três contras, cinco abstenções e 19 ausências, o secretário Aluísio Mendes receberá sim a medalha Manoel Beckman. (Veja abaixo a relação da votação)

O Blog entrou em contato com Aluísio Mendes e o secretário confirmou que assim que for convidado irá com prazer receber a homenagem do parlamento maranhense. Além disso, ainda existe um outro Projeto tramitando na Assembleia que concede título de cidadão maranhense ao atual secretário de Segurança.

Agora uma coisa ficou claro, a “pelenga” não só permanece, como está longe de terminar.

Votaram pela homenagem (Afonso Manoel, André Fufuca, Tatá Milhomem, César Pires, Fábio Braga, Hemetério Weba, Jota Pinto, Magno Bacelar, Manoel Ribeiro, Marcos Caldas, Rigo Telles, Roberto Costa, Rogério Cafeteira, Sérgio Vieira e Vianey Bringel);

Votaram contra a homenagem (Bira do Pindaré, Raimundo Cutrim e Rubens Júnior);

Se abstiveram da votação (Carlinhos Amorim, Francisca Primo, Gardênia Castelo, Marcelo Tavares e Neto Evangelista);

Ribeiro admite que Governo do Maranhão realizava convênios com entidades fantasmas

por Jorge Aragão

Manoel Ribeiro fez graves acusações ao Governo

Definitivamente essa é uma semana que o Governo do Maranhão foi bombardeado na Assembleia Legislativa, seek mas isso não seria nenhuma novidade, link pois o embate entre Oposição e Governo é normal em todo parlamento, ampoule o problema é que o bombardeio veio dos “aliados”, o que se costuma se chamar de “fogo amigo”.

No início da semana, o deputado estadual Raimundo Cutrim tentou colocar em suspeição a investigação da execução do Décio Sá (reveja aqui). Depois disso, foi à vez do vice-líder do Governo, o deputado Magno Bacelar criticar duramente, pedindo inclusive investigação do Ministério Público, pois o Governo do Maranhão poderia estar realizando convênios com seus adversários políticos. Bacelar chegou a dizer que o Governo do Maranhão, leia-se e entenda-se Roseana Sarney, estaria cometendo crime eleitoral (reveja aqui).

No dia seguinte, como o Blog antecipou, Magno Bacelar voltou atrás e desdisse o que havia dito (reveja), mas o pior para o Governo do Maranhão ainda estaria por vir, pois o “problema” não foi encerrado com o arrependimento de Bacelar.

Na última sessão da semana, na quinta-feira (23), foi à vez do ex-líder do Governo, o deputado Manoel Ribeiro subir a Tribuna e bater forte. Ribeiro simplesmente admitiu que o Governo do Maranhão estava realizando convênios irregulares com entidades fantasmas.

“Parabéns a governadora Roseana Sarney, pois ela mandou suspender os convênios que estavam saindo no ralo para a prefeitura denunciado pelo nosso deputado Nota 10 (Magno Bacelar), ela mandou cortar todos os convênios que existiam com essas prefeituras, essas entidades fantasmas”, afirmou Manoel Ribeiro, que infelizmente esqueceu de dizer quem autorizava a realização desses convênios, na concepção do parlamentar, fraudulentos.

E isso tudo em apenas uma semana, ou seja, somente quatro sessões. Com o “fogo amigo” a Oposição agradece e vai ficando sem muito trabalho no parlamento maranhense.

Exclusivo: inquérito contra Aluísio Mendes foi arquivado pelo MPF e TRF

por Jorge Aragão

Clique para ampliar

Nesta segunda-feira (20), buy no discurso bombástico na Assembleia Legislativa, o deputado estadual Raimundo Cutrim, afirmou que o atual secretário de Segurança, Aluísio Mendes, teve a sua prisão preventiva requerida pela Polícia Federal.

O Blog foi atrás da informação mais precisa e com exclusividade apresenta parte da documentação que comprova que o inquérito 001/2008 – DFIN/DCOR/DPF contra Aluísio Mendes foi arquivado tanto pelo Ministério Público Federal quanto pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

O arquivamento foi assinado no dia 20 de agosto de 2009, por três Procuradores da República, José Leite Filho, Marcílio Nunes Medeiros e Thayna Freire de Oliveira.

No entendimento dos procuradores, o arquivamento se fazia necessário pelo fato da colheita de informações a respeito do fato criminoso não ter encontrado elementos mínimos convincentes que habilitem a promoção de uma ação penal. Além disso, foi salientado que não havia mais razões para prosseguir as investigações, já que as fontes de prova que poderiam ser pesquisadas foram esgotadas.

O documento na sua parte final ainda salienta “não foi recolhido indícios mínimos de que ALUISIO MENDES GUIMARÃES MENDES FILHO utilizou-se do cargo para obter informações sigilosas sobre investigação pertinente à investigação feita no inquérito 001/2007 – DFIN/DCOR/DPF como se suspeitou no princípio”.

Ou seja, para o MPF o crime que estava sendo imputado a Aluísio Mendes não passou de uma suspeita infundada e por esse motivo os três Procuradores da República decidiram pelo arquivamento, que também foi acatado integralmente pelo Tribunal Regional Federal.

O Blog ainda entrou em contato telefônico com o secretário Aluísio Mendes, que confirmou o arquivamento do processo, mas declarou que não vai se manifestar sobre as declarações dadas pelo deputado Raimundo Cutrim.

Cutrim segue a tese da “melhor defesa é o ataque”

por Jorge Aragão

Deputado estadual Raimundo Cutrim

Depois dos últimos acontecimentos e ter seu nome também envolvido no crime de grilagem de terras no Maranhão, find o deputado estadual Raimundo Cutrim foi a Tribuna da Assembleia Legislativa e mais uma vez usou a tese do ataque como a melhor defesa e novamente fez acusações graves contra o secretário de Segurança, Aluísio Mendes e denunciou que pelo menos dois delegados, que investigam a morte de Décio Sá, estariam participando de uma armação com os integrantes da quadrilha para envolver o seu nome como mandante da execução do jornalista. O Blog destaca alguns pontos do polêmico discurso do parlamentar.

Cutrim questionou o motivo pelo qual não foi ouvido no caso Décio Sá
“Eu dei entrevista coletiva à imprensa e colocando a disposição meu sigilo bancário e telefônico bem como meu interesse em ser ouvido nos autos do inquérito policial, porque não fui chamado? A delegada geral, eu via hoje pela manhã a entrevista, bem como eu vi outro delegado Augusto e o secretário, afirmarem recentemente que não poderiam me ouvir, pois teria que ter permissão do Tribunal de Justiça, que o Aluísio não sabia que isso não é necessário, isso não é de se estranhar, mas que os delegados não sabiam, é inacreditável. Como não posso ser ouvido no caso Décio Sá se a mesma Polícia Civil através do delegado Damasceno presidente do inquérito da grilagem, tomou meu depoimentos nos autos no dia 15 de agosto. Como pode ter dois pesos e duas medidas? Do que tinha medo, para não me ouvir nos autos do inquérito que apura a morte do jornalista Décio Sá? Tiraram-me a oportunidade e ser ouvido principalmente para que não fique dúvida ao meu respeito”.

Cutrim diz que houve acordo com o executor para citar seu nome como mandante
“Na quinta-feira dia 14 de junho um delegado da Comissão da Investigação e o agente fizeram uma visita ao preso Jhonatan nas dependências da Polícia Federal, levaram meus amigos, e vejam bem levaram uma escova de dentes, um creme dental e dois livros com os títulos: Treze semanas para mudar a sua vida e Jesus o homem mais sábio que já existiu. Por que os presentes? E por que os livros de autoajuda? Por que fazia parte do acordo? Segundo informações, dois delegados da comissão fizeram um acordo com Jhonatan com a conivência do atual secretário, isso é gravíssimo, meus amigos, é um assassino confesso para citar o meu nome como mandante em troca, veja bem, em troca de um parente, salvo engano, primo do Jhonatan, que está hoje está preso, na Delegacia de Roubos e Furtos de Veículos, não seria indiciado no crime do Décio”

Esposa de Bolinha diz que o marido foi procurado por delegados para incriminar Cutrim
“A esposa de Junior Bolinha veio aqui na Assembleia e me procurou dizendo que no mês de julho, por volta de 4 horas da manhã, o Júnior Bolinha foi acordado, lá na delegacia onde estava com um balde de água gelada e estavam junto lá, no local, três delegados, os dois que eu já suspeitava e mais o outro, que eu custei a acreditar, todos os três integrantes da comissão. Apresentaram papeis públicos para que ele decorasse e lesse, naquele momento que era para ele ler, eles perguntavam que era para ele dizer que o Cutrim estava envolvido e ele disse que não tinha como, primeiro que ele me conhecia pouco tempo, no final de 2011 e o contato que tinha com o Cutrim era profissional de sítio e de conta da areia, de barro, não tinha muita ligação e ele diante da recusa, o deixaram quatro dias sem alimentação, quatro dias sem ler revistas, sem nada, sem visita e a esposa dele me procurou dizendo que estava aflita, preocupada que eles iriam matar”.

Cutrim diz que secretário tentou acordo com Fábio Capita
“Outro fato relevante que eu tomei conhecimento, é que o secretário, que queria falar com o capitão, e, naquela oportunidade, ele não queria chamá-lo, ele queria que o capitão fizesse um documento até ele, ou um bilhete, ou um requerimento dizendo que queria falar. O certo é que ele intermediou e assim chegou ao capitão, o capitão mandou os documentos e chamou, foi até a presença do atual secretário, e lá quando chegou, o secretário queria que ele dissesse que eu tinha participação; aí o capitão disse: secretário, como é que eu vou fazer isso? O deputado Cutrim, eu não tenho nem amizade pessoal com ele, eu nunca conversei pessoalmente com ele, nunca tivemos um contato telefônico, eu o conheço como todo Maranhão conhece, ele foi secretário, por muitos anos, toda a Polícia Militar do nosso Estado conhece, mas eu não posso fazer isso. Ele disse: não, mas se tu disseres, com dois dias, tu estás solto. E ele então disse: então, eu vou ficar preso, porque mesmo que eu dissesse, teria que provar e não tem como”.

Orquestração com participação da imprensa
“Eu preferia que tirassem a minha vida a esse atentado ao meu nome, à minha honradez. Todos vocês sabem quem eu sou e essas orquestrações para me atingir, capitaneadas pelo secretário atual, o Aluísio, e seguidas por boa parte da imprensa, que é insidiosa”

Cutrim sobre Aluísio Mendes
“Mas quem é Aluísio? Aluísio é um agente da Polícia Federal que nunca trabalhou. Passou no concurso e foi para o Amapá, ficando sempre à disposição de gabinetes, de gabinetes em gabinetes, não sendo, portanto, um verdadeiro policial federal. Teve inclusive a sua prisão preventiva requerida pela Polícia Federal por traição à instituição”.

Grilagem
“Eu tenho os documentos todos, tenho recibo de tudo que eu comprei, se a pessoa me deu um documento falso, eu fui vítima tanto quanto os outros”.

Ameaça
“Querem me desestabilizar, me desmoralizar publicamente perante a população, mas isso eu não aceitarei, eu vou buscar meus direitos a onde quer que seja, e eu sei de muita coisa, eu sei de muita coisa. E eu vou começar a falar por capítulos, nesta semana farei outro pronunciamento talvez dois ou três nesta semana. E vou começar a falar, começar a falar e vou esperar alguém vim. Se alguém se sentir ofendido depois, que venha resolver pessoalmente, porque eu não tenho medo de cara feia. Eu não sou de mandar fazer nada a ninguém, não sou de mandar recado a ninguém, o que eu falo eu confirmo, eu não sou de quebrar canto de ninguém minha gente, com medo de A, B ou C”.