JBS diz que pagou R$ 13 milhões ao PCdoB nas eleições de 2014

por Jorge Aragão

Pelo visto as deleções dos proprietários e diretores da JBS ainda vão alcançar muita gente, principalmente aqueles que se julgavam verdadeiros arauto da moralidade.

O diretor da JBS Ricardo Saud, em delação premiada, descreveu uma listagem com doações que estariam somando quase R$ 600 milhões para 1.829 candidatos de 28 partidos das mais diferentes ideologias.

Com essa contribuição, Saud assegura que a empresa conseguiu eleger 167 deputados federais de 19 siglas, bancou 28 senadores da República e fez 16 governadores. A extensa lista de políticos beneficiados já foi entregue ao MPF.

Ricardo Saud afirmou ainda que só o PCdoB, partido do governador do Maranhão, Flávio Dino, teria recebido algo em torno de R$ 13 milhões para apoiar a reeleição da presidente Dilma Rousseff em 2014.

De acordo com a deleção de Ricardo Saud, o pagamento ao PCdoB foi uma ideia do tesoureiro de campana de Dilma Rousseff, Edinho Silva. O repasse era autorizado por Guido Mantega. Em um dos trechos, o delator afirma que só o ex-ministro Orlando Silva (PCdoB) recebeu R$ 3 milhões.

“Orlando Silva chegava com o pessoal do PCdoB, ficava um pouco atrás e dizia ‘O meu é por fora, hein, não tem nada a ver com esse povo dos 10 milhões, não’”, afirmou Saud.

Essa não é a primeira vez que o PCdoB é citado em delação premiada. O ex-deputado federal e delator da Operação Lava Jato, Pedro Corrêa, relatou aos procuradores um esquema de corrupção vinculado ao programa do governo federal Minha Casa, Minha Vida. Entre os partidos beneficiados estava o PCdoB.

O delator afirmou que mais oito partidos – PMDB, PSD, PDT, PP, PR, PROS, PV e PRB – também foram ‘cooptados’ para apoiar a chapa Dilma/Temer nas últimas eleições gerais.

Em 2014, quando o PCdoB teria recebido a suposta propina, a prioridade do partido era eleger o seu primeiro governador no Brasil e conseguiu, afinal Flávio Dino foi eleito para comandar o Governo do Maranhão.

Guerra aberta

por Jorge Aragão

Partiu da base governista a articulação para que o secretário de Agricultura Familiar, Adelmo Soares, fosse convocado para audiência pública na Assembleia Legislativa. Tanto que o requerimento, de autoria do deputado Júnior Verde (PRB), foi aprovado por unanimidade em plenário. E só entrou na pauta por que o deputado Fábio Macedo (PDT) aproveitou-se da condição de presidente em exercício para por a proposição em pauta.

Por trás da questão envolvendo Adelmo – que já comprou briga com os próprios Macedo e Verde por espaços de votação no interior – está uma guerra fratricida entre deputados governistas e membros do governo Flávio Dino que pretendem disputar as eleições de 2018.

E eles são muitos: a começar pelo todo-poderoso secretário de Comunicação, Mário Jerry, passando pelo chefe da Casa Civil, Marcelo Tavares, são pelo menos 12 auxiliares-candidatos, em uma lista que tem nomes como Jeferson Portela e Duarte Júnior, queridinhos do PCdoB.

E para entrar na Assembleia, obviamente, esses pretensos deputados terão que ocupar a vaga de alguém que esteja na Casa. Como é pouco provável que eles consigam tirar as vagas consolidadas de oposicionistas, sobrará exatamente para os membros do governo na Assembleia.

E nesse jogo d gato e rato vale até jogar para a torcida, como o líder do governo, Rogério Cafeteira (PSB), que se faz de desentendido publicamente ao falar sobre o assunto, mas conspira nos bastidores contra os secretários-candidatos.

E a vida de Adelmo Soares não será fácil na sabatina da Assembleia. É bom lembrar que, com menos antipatia que ele na Casa, o secretário de Infraestrutura Clayton Noleto foi tão bombardeado que abriu mão da candidatura a deputado federal.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

PCdoB tem o maior número de prefeitos que podem ser cassados

por Jorge Aragão

O Estado – O Partido Comunista do Brasil (PCdoB) é a sigla com o maior número de prefeitos que respondem a ações em tramitação no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Maranhão, e que estão sujeitos à cassação de mandato.

Ao todo, 23 prefeitos são alvo de representações ou ações de investigação no tribunal. O levantamento foi publicado primeiro pelo blog do jornalista Diego Emir.

Levando em consideração o número de prefeitos do PCdoB eleitos em 2016, 46 ao todo, a quantidade de gestores alvo de ações na Justiça Eleitoral corresponde a 50%.

Além das representações, os comunistas são alvo de Ação de Investigação Judicial Eleitoral (AIJE) e Ação de Impugnação de Mandato Eleitoral (AIME).

A Aije está prevista no artigo 22 da Lei Complementar 64/90, e só pode ser apresentada até a data da diplomação. Essa ação é utilizada durante o processo eleitoral e se aplica para impedir e apurar a prática de atos que possam afetar a igualdade de disputa entre candidatos em uma eleição, como ocorre nos casos de abuso do poder econômico, abuso do poder político ou de autoridade e utilização indevida dos meios de comunicação social. Condenado na Aije, o político pode ser enquadrado como inelegível.

Já a Aime, é uma ação eleitoral que consta da Constituição Federal (Art. 14, §10) e permite que o mandato do candidato eleito possa ser impugnado perante a Justiça Eleitoral em até 15 dias após a diplomação. O objetivo é barrar o político que obteve o cargo por meio de abuso de poder econômico, corrupção ou fraude.

Outros partidos – Além do PCdoB, as demais siglas que lideram o ranking de representações na Justiça Eleitoral do Maranhão são o PSDB com 9 ações; PDT com 7; PSB com 5; PT com 2; PP com 2; PR com 2 e o PROS com 1 ação. Outras siglas são PMDB, com 3; PV com 4; PRB com 4; PTN com 2; PMN com 1; PTB com 1 e PSD com 1 ação.

O Estado entrou em contato com a direção estadual do PCdoB, para obter um posicionamento, mas até o fechamento desta edição nenhuma resposta havia sido encaminhada.

O presidente estadual da sigla no Maranhão é o secretário de Estado de Comunicação e Assuntos Políticos, Márcio Jerry.

PCdoB afasta dirigente acusado de estupro em Timon

por Jorge Aragão

O comando municipal do Partido Comunista do Brasil (PCdoB) da cidade de Timon, afastou do cargo de vice-presidente da sigla, Clemilton Colaço.

Clemilton foi preso sob acusação de estupro de menores de idade no início da semana. As vítimas são sobrinhas da atual companheira do militante comunista.

Por meio de nota, o partido político afirmou ter sido surpreendido pela notícia de que o dirigente havia sido preso sob a acusação de estupro e completou.

“Dada a gravidade da situação, a Comissão Política do partido afastou o dirigente de suas funções, até que todos os fatos sejam definitivamente esclarecidos”.

A nota é assinada por João Rodolfo, presidente da legenda em Timon.

Vice-presidente do PCdoB de Timon é preso por estupro

por Jorge Aragão

Clemilton Colaço entre Edivar Ribeiro e Luciano Leitoa, durante evento do PCdoB em Timon

O vice-presidente do PCdoB de Timon e membro do Governo Flávio Dino (PCdoB), Clemilton Colaço Ribeiro, foi preso na manhã de hoje pela Polícia Civil.

Pesava contra o comunista, um mandado de prisão preventiva expedido pela 3ª Vara Criminal de Timon, por suspeita de estupros contra três garotas entre 10 e 13 anos de idade.

A informação foi confirmada pelo jornalista Gilberto Léda na Delegacia Especializada da Mulher (DEM).

Clemilton ocupa desde setembro de 2015, o cargo de diretor da Unidade Regional de Timon da Secretaria de Estado de Indústria e Comércio (Seinc), posto para o qual foi nomeado depois de deixar a gestão Luciano Leitoa (PSB), prefeito de Timon.

Ele agora responderá na Justiça pelas acusações de estupro.

 

Vereadora do PCdoB de Caxias que usou carro do Governo é cassada

por Jorge Aragão

O juiz de Direito Paulo Afonso Gomes, da 4ª Zona Eleitoral de Caxias cassou o mandato da vereadora Aureamélia Brito Soares (PCdoB), por abuso de poder político e econômico nas eleições 2016.

Aureamélia havia sido flagrada durante a campanha eleitoral utilizando um veículo alugado pelo Governo do Estado, o que acabou sendo utilizado como prova para a sua cassação.

Com a saída da comunista quem assume mandato é o suplente Genival Moto Peças (PSB). A informação é do jornalista Gilberto Léda.

O carro utilizado pela vereadora é uma caminhonete Volkswagem Amarok, que está alugada para a Secretaria de Estado da Indústria e Comério (Seinc) desde o dia 20 de julho do ano passado. O contrato, segundo informação prestada à Justiça Eleitoral pelo próprio titular da pasta, Simplício Araújo (SDD), tem vigência de um ano e encerra-se apenas no dia 20 de julho deste ano.

Em sua defesa, a Aureamélia Soares – que é esposa do atual secretário de Estado da Agricultura Familiar, Adelmo Soares – confirmou que usava o carro na campanha, mas garantiu que à época da eleição ele ainda não estava sendo utilizado pelo Executivo.

O argumento é quase o mesmo da Seinc. Em nota oficial, a secretaria informou que, apesar de o contrato ser do dia 20 de julho de 2016, o uso efetivo do veículo iniciou-se apenas no dia 10 de outubro do mesmo ano, após as eleições.

Para a Justiça, contudo, as justificativas não foram o suficiente…

A diferença entre o PCdoB no poder e o PCdoB fora do poder

por Jorge Aragão

O Espírito Santo vivi o pior momento da sua história com a greve deflagrada pela Polícia Militar. Aumentou o número de homicídios, saques, assaltos, enfim uma violência jamais vista. A crise chega ao 5º dia e sem previsão de acabar, mas a chegada da Força Nacional e as tropas do Exército Brasileiro estão dando um pouco de tranquilidade para a população.

Entretanto, causou espanto uma Nota Pública emitida pelo PCdoB do Espírito Santo, que faz Oposição ao governo estadual, e publicada pelo Portal Vermelho (veja). O partido destaca na Nota total e irrestrito apoio ao movimento grevista. Veja abaixo a Nota.

Todo trabalhador e trabalhadora tem o direito de lutar por melhores salários e melhores condições de trabalho.

O PCdoB se solidariza com os familiares dos servidores da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar, desejando que o governo estadual retome o diálogo como forma de superar esse impasse que tem causado graves consequências para a vida dos capixabas.

Baixos salários e precárias condições de trabalho não atingem apenas trabalhadores e trabalhadoras, mas também seus familiares, que sentem o impacto em seu cotidiano, tanto com referência às condições materiais de sobrevivência, quanto com as condições de segurança a que são submetidos seus parentes no exercício da profissão.

Tentar deslegitimar e desqualificar a mobilização dos familiares de cabos e soldados da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar, como faz o governo estadual e setores da elite econômica capixaba não é aceitável, é condenável.

Negar que os salários são baixos, não há como. Negar que as condições de trabalho são precárias, também não há como. Se omitir quanto a essa situação – que atinge todo o funcionalismo público estadual – em nome de um duro ajuste fiscal que prejudica sobretudo as trabalhadoras e os trabalhadores públicos estaduais, como faz o governo, é um caminho temerário, sujeito a criar condições para eventos como o que está ocorrendo nestes dias.

Culpar os policiais e bombeiros militares pelo caos que se instalou e tentar fazer com que a população acredite nessa falácia é próprio de um governo autoritário, arrogante e truculento, que só reconhece nas forças militares estaduais o papel de uma espécie de “capitão do mato”, utilizado contra a população pobre, os movimentos populares e suas manifestações democráticas.

Criar uma comissão permanente de negociação para nada negociar, negar qualquer perspectiva de atendimento às demandas do funcionalismo, em benefício de um ajuste fiscal de recorte neoliberal, que para seu sucesso depende de impor graves sofrimentos aos trabalhadores, trabalhadoras e suas famílias é de uma insensatez desumana.

A responsabilidade pelo caos é do governo estadual e não os familiares de policiais e bombeiros militares que ousam lutar por melhores salários e condições de trabalho para seus maridos, esposas, filhos e filhas.

Por fim, o PCdoB conclama a sociedade e o parlamento capixaba a retomarem o debate sobre a desmilitarização da Polícia Militar, como o caminho mais sensato para democratizar e aperfeiçoar o papel desta tão necessária força de segurança estadual.

Será que é assim que pensa o PCdoB do Maranhão, o PCdoB comandado por Flávio Dino e Márcio Jerry? Ou será que o PCdoB pensa de um jeito quando está na Oposição e de outro bem diferente quando está no Governo?

Os policiais militares do Maranhão sabem de “cor e salteado” a resposta.

PCdoB espera candidatura de Flávio Dino a presidência do Brasil

por Jorge Aragão

dinoO jornal El País, que já foi acusado por deputados oposicionistas de receber verbas do Governo Flávio Dino, fez uma matéria destacando a possibilidade do governador do Maranhão ser candidato a presidência do Brasil.

Na própria matéria, o governador comunista praticamente descarta da possibilidade, pois diz que ainda tem muitas mudanças a fazer no Maranhão.

“Sou candidato à reeleição se Deus me der vida e saúde. Porque nós temos uma tarefa inconclusa no Estado”, disse Flávio Dino.

Entretanto, a presidente nacional do PCdoB, a deputada federal Luciana Santos, afirmou que a legenda lançará um candidato e que aguardará uma resposta de Flávio Dino.

“Neste ambiente de falta de perspectiva, o PCdoB tomou uma definição: lança em março seu candidato à presidência. Ele [Flávio Dino] ficou de refletir”, declarou a pernambucana Luciana Santos.

Se a matéria foi feita a pedido ou não do Governo Flávio Dino, é óbvio que Flávio Dino, que já demonstrou o apego ao poder, vide os jatinhos que não andaria e o Palácio dos Leões que disse que não moraria, não trocará o certo pelo duvidoso. Ou seja, Dino não deixará de disputar uma eleição onde entra, pelo menos atualmente, como favorito na disputa, até pela força da máquina estadual, por uma disputa onde será apenas um simples e mero coadjuvante.

A única possibilidade de Dino não disputar o pleito é caso ele seja impedido pela aprovação do fim da reeleição já valendo para 2018. Mesmo assim, Dino disputaria uma das duas vagas de senadores, mas não embarcaria na furada de ser candidato a presidente pelo PCdoB.

A matéria tenta apenas elevar o nome de Flávio Dino ao cenário nacional, nada mais do que isso.

Uma coisa é certa, a torcida para que Flávio Dino seja candidato a presidência no Maranhão é quase uma unanimidade. Os apoiadores do comunista sonham com sua ascensão, já os oposicionistas sonham em se livrar de mais quatro anos de um novo Governo Flávio Dino.

PCdoB temeroso em relação ao futuro de Dino

por Jorge Aragão

Flavio-Dino-com-DilmaA informação de que o governador Flávio Dino aparece como um dos nomes cotados pelo PCdoB para a disputa da Presidência da República em 2018 tem dividido o próprio partido.

Ontem, a coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, colocou Dino como um dos quatro nomes da sigla sugeridos em plenária para a disputa eleitoral.

Na manhã de hoje, o diretório municipal do PCdoB em São Luís tratou de divulgar o teor de uma resolução política da legenda, que tem como prioridade, a reeleição de Dino no Governo do Maranhão.

Na resolução há destaque para o fato de Flávio ter se tornado o primeiro governador eleito pelo partido.

É a reação daqueles que temem, na verdade, o esvaziamento de Dino e o risco de um desempenho pífio em 2018.

Flávio Dino ficou com a imagem desgastada no cenário nacional ao atuar conjuntamente com o deputado federal Waldir Maranhão (PP) em defesa da ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

Ele também demonstrou falta de força e articulação política junto à bancada maranhense na Câmara Federal durante a votação de admissibilidade do processo de impeachment.

E para piorar, tem os três senadores da bancada maranhense no campo de oposição, apesar de ter sido eleito na mesma chapa de um destes em 2014.

Sem conseguir espaços no cenário político nacional, a eventual candidatura do comunista à Presidência em 2018 é vista com desconfiança pela sigla, que agora tenta abafar o tema.resolucao-pcdob

Comunista histórico diz que está sendo perseguido em Paço do Lumiar

por Jorge Aragão

roberval

O militante histórico do PCdoB, troche Roberval Costa, que foi candidato a vereador em Paço do Lumiar, relatou nas redes sociais que estaria sendo perseguido pelo seu partido, pelo fato de não ter apoiado a candidatura do prefeito eleito Domingos Dutra (PCdoB) no município da Grande Ilha.

Conforme o Blog destacou durante a campanha eleitoral, Roberval Costa decidiu não apoiar mais a candidatura de Dutra a Prefeitura de Paço do Lumiar pelo fato de entender que a estrutura financeira do PCdoB estava sendo utilizada para eleger a esposa de Dutra, a candidata a vereador Núbia Dutra (reveja).

Agora, depois de passado o pleito eleitoral, a decisão de Roberval Costa parece que não “ficará em branco” e o PCdoB, segundo o relato do próprio comunista histórico, estaria lhe perseguindo.

“Sobre a notificação da “comissão processante’ da comissão provisória do PCdoB de Paço do Lumiar, hoje na minha casa: querem mostrar serviços ao prefeito e a primeira dama? Aquele carro da minha campanha é da minha mãe, esse piso da minha casa foi comprado com empréstimo bancário, o meu carro tá seis prestações atrasadas, tirava da boca dos meus filhos para ajudar Dutra, que aliás nem água dava pra gente. Deixei de fazer minha campanha para ajudá-lo. O enfrentamento à Odebrecht foi feito principalmente por mim, Diniz e Orlando, e foi o que levantou Dutra em Paço”, escreveu.

Roberval Costa também questiona se o deputado federal Rubens Júnior e o prefeito eleito de Santa Rita, Hilton Gonçalo, estariam também sendo alvo do PCdoB, uma vez que ambos apoiaram Eduardo Braide para a disputa pela Prefeitura de São Luís, em detrimento da candidatura de Edivaldo Júnior, que tinha um membro do PCdoB como candidato a vice-prefeito, o professor Júlio Pinheiro.

“Deixa de me perseguir! Já instalaram comissão processante para expulsar o prefeito de Santa Rita e o deputado Federal Rubens Pereira Jr. do partido? Quem ostentava era Dra Núbia que tinha seis carros de som e dezenas de cabos eleitorais pago. Bastava uma conversa que me retirava. Agora vou enfrentar o processo com as armas que tenho! Rompi com Dutra por conta das ameaças da sua famigerada esposa em nos denunciar na Polícia Federal e a omissão dele. Estarei na imprensa e na sociedade luminense fazendo minha defesa”, finalizou o comunista histórico Roberval Costa.

Pelo visto a celeuma ainda terá desdobramentos. É aguardar e conferir.