Flávio Dino e os números que servem, e os que não servem

por Jorge Aragão

É impressionante a relação dúbia que o governador Flávio Dino e seus asseclas possuem com números. Se a pesquisa e/ou levantamento lhe agradam, pronto, os números são verdadeiros, mas se a pesquisa e/ou levantamento demonstram a incompetência de sua gestão, os números são falsos.

Se bem que os únicos números ultimamente favoráveis ao comunista, são as pesquisas eleitorais encomendadas pelo Palácio dos Leões, já que até mesmo os números de um levantamento feito pelo G1, que fizeram os comunistas soltarem foguetes, foi totalmente desvirtuado por eles, como confirmou o próprio coordenador do G1 no Maranhão (reveja aqui).

Só que além de desvirtuarem os números, os comunistas não aceitam os levantamentos feitos, mesmo que eles sejam feitos nacionalmente e por institutos de credibilidade e apartidários como o CNT e o IBGE.

Pior para os comunistas, é que os dois recentes levantamentos, tanto CNT quanto IBGE, comprovaram o fracasso da gestão Flávio Dino e de como piorou o Maranhão.

A pesquisa CNT, divulgada em novembro de 2017, apontou que 44% das estradas maranhenses estão em estado geral de conservação ruim ou péssimo, 26% estão em situação regular e em 30% a situação é boa ou ótima. No total, são mais 1.042 Km ruins ou péssimos.

Só que a situação piora assustadoramente quando a avaliação levava em conta somente as rodovias estaduais, ou seja, aquelas de competência e responsabilidade do Governo Flávio Dino. Nesse tipo de rodovia, 91,6% têm o estado geral ruim ou péssimo, 8,4% estão regular ou bom e nenhuma está ótima, segundo a pesquisa.

Pior para os comunistas que a pesquisa aponta que o Maranhão piorou a qualidade da malha rodoviária estadual, pois de acordo com a entidade, de 2016 a 2017, o índice de trechos considerados ruins ou péssimos nos aspectos de pavimentação, sinalização e geometria passou de 88,7% para 91,6%. Ou seja, de acordo com a pesquisa, a qualidade da malha viária do Maranhão piorou dentro do Governo Flávio Dino, indo na contramão da propaganda da gestão comunista.

Já o levantamento do IBGE, como foi amplamente divulgado, demonstrou que o PIB, que estava subindo no Governo Roseana, apresentou queda de 8% no acumulado dos anos de 2015 e 2016. Ou seja, piorou assustadoramente dentro da gestão comunista.

O mesmo levantamento, parece ter dado o tiro de misericórdia, quando demonstrou que a pobreza extrema aumentou em 2% no ano de 2016. Ou seja, para quem prometeu eliminar a pobreza extrema existente, não teve a capacidade de pelo menos manter o problema já encontrado, conseguiu foi ampliar essa triste realidade do Maranhão.

E assim segue o Governo Flávio Dino, cada vez mais desmascarado pelos números e levantamentos nacionais.

Contra os números, não existem argumentos, meu caro Flávio Dino

por Jorge Aragão

Nesta sexta-feira (29), o jornalista Douglas Pinto fez uma matéria perfeita sobre os dados divulgados pelo IBGE, com relação ao ano de 2016. A reportagem foi exibida na TV Mirante, no JM 1ª Edição.

Os dados, que também foram divulgados em reportagem da Folha de São Paulo (reveja), atingiu em cheio o Governo Flávio Dino, já que durante a gestão comunista o PIB do Maranhão caiu em 8% e a pobreza extrema aumentou em 2% entre os maranhenses.

Como de costume, o Governo Flávio Dino tentou responsabilizar outras gestões pelo fracasso, mas os números são referentes a 2016 e a reportagem demonstra como o Maranhão decresceu na gestão comunista.

Contra os números, não existem argumentos, meu caro Flávio Dino…

Ricardo lamenta crescimento da pobreza no Governo Flávio Dino

por Jorge Aragão

Em postagem na sua rede social, o ex-secretário de Saúde do Maranhão e pré-candidato ao Governo do Estado pelo PRP, Ricardo Murad, destacou e lamentou o crescimento da pobreza entre os maranhenses no Governo Flávio Dino.

Os dados divulgados nesta semana pelo IBGE, afirmaram que nos últimos três anos, ou seja, na administração comunista, a extrema pobreza cresceu 2% e o PIB, no acumulado 2015-2016, teve queda de 8%.

Para Ricardo, é uma vergonha se gastar R$ 140 milhões na Comunicação, em detrimento de setores mais importante, como: Saúde, Educação e Segurança. Veja abaixo a interessante postagem de Ricardo Murad sobre mais essa prova inconteste da incompetência da gestão comunista no Maranhão.

Os impressionantes “números” do Governo Flávio Dino

por Jorge Aragão

flaviodinofaceÉ impressionante como toda vez que números reais são apresentados e, diagnosis diretamente ou indiretamente, sovaldi sale atingem o Governo do Maranhão em qualquer setor, quase que instantaneamente o Governo Flávio Dino surge com outros números para contrapor.

Foi assim na questão de assaltos a bancos e explosões de caixas eletrônicos, mas o Governo Dino foi desmascarado com o número do Sindicato dos Bancários. A mesma coisa aconteceu com o número de assaltos e mortes no transporte coletivo, onde os “números” do Governo eram bem diferentes dos apresentados pelo Sindicato dos Rodoviários.

Agora novamente o Governo Flávio Dino se supera. Na semana passada, de acordo com dados do IBGE, o Maranhão obteve a segunda maior queda do país no setor de serviços. Os resultados regionais, referentes a maio deste ano em comparação com igual mês do ano anterior, mostram que o estado maranhense está atrás apenas do Amazonas, que registrou -8,6% (reveja). O relatório está disponível no site do IBGE (veja aqui).

Como já era esperado, o Governo Flávio Dino apresentou, através da imprensa alinhada, outros números para contrapor a informação. Os estatísticos de Dino foram até o Castrado Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), no Ministério do Trabalho, para afirmar que o Maranhão apresentou saldo positivo no setor. O resultado, segundo os novos “números” o Maranhão foi o estado do Nordeste com o melhor desempenho na criação de novos postos de trabalho e o terceiro melhor do país.

E assim segue o Governo Flávio Dino, sempre com “números” impressionantes e que até Deus duvida.