Mais uma vergonha na Saúde no Governo Flávio Dino

por Jorge Aragão

É impressionante como o setor de Saúde do Governo Flávio Dino tem sido um verdadeiro Calcanhar de Aquiles para o comunista. Depois do sucateamento das UPAS, do escândalo da Clínica Eldorado, entre outras tantas lambanças no setor, nesta segunda-feira (21) aconteceu mais um fato vergonhoso.

A repórter Alessandra Rodrigues, no programa Panorama da Rádio Mirante AM, ouviu familiares de um senhor de 74 anos, Francisco João da Silva, que passou por um enorme constrangimento nesta segunda-feira, no Hospital Carlos Macieira.

Ele está a um ano e três meses aguardando uma cirurgia de próstata e teve a confirmação que a cirurgia, enfim, aconteceria nesta segunda-feira. O senhor Francisco João chegou a ser internado no domingo (20) e chegou a ir para o centro cirúrgico, mas a cirurgia não foi realizada por falta de material específico para o procedimento.

“Não foi feito a cirurgia do meu pai por falta de material suficiente. Se não tinha esse material, não tinham que ter chamado ele para a cirurgia. Ele já está aguardando a um ano e três meses essa cirurgia, não haveria a necessidade de passarmos por toda essa situação”, desabafou uma das filhas do João Francisco.

O Blog, para que não reste dúvidas, publica o Resumo de Alta que teve acesso, onde demonstra claramente que a cirurgia não foi feita pela falta do material. Pior é que além de term internado o cidadão e não operarem, ainda deram alta “administrativa”. Veja abaixo.

E ainda tem gente que jura de “pé junto” que a Saúde melhorou no Governo Flávio Dino. Realmente meu caro governador, não dá para comparar a Saúde do Governo Roseana, na gestão Ricardo Murad, com a Saúde da sua gestão. A mudança foi infinitamente para pior.

Em tempo: na terça-feira (22), o Instituto GERIR, encaminhou Nota ao Blog explicando e lamentando o triste fato acontecido. Veja abaixo.

NOTA – Instituto Gerir

Sobre o caso do paciente Sr. Francisco João da Silva, a administração do Hospital Carlos Macieira vem a público dizer que:

1. O hospital se sensibiliza com o caso. Pedimos desculpas pelo transtorno causado ao Sr. Francisco e aos seus familiares. Esclarecemos que a cirurgia foi reagendada no mesmo dia em que o paciente recebeu alta. A remarcação não prejudica em nada o tratamento;

2. Não há falta de materiais para cirurgias e todos os componentes essenciais para realizar procedimentos cirúrgicos são provisionados e mantidos em estoque. Há alguns materiais especiais usados em casos específicos. Eles são requisitados somente quando um desses casos surge;

3. No caso do Sr. Francisco, o hospital requisitou um tipo de eletrodo especial para a cirurgia. Contudo, o fornecedor não entregou o equipamento em tempo e, por isso, a cirurgia teve que ser remarcada;

4. A administração do hospital está analisando os processos internos para evitar que esse tipo de problema volte a ocorrer. Nosso corpo clínico se dedica à recuperação plena dos nossos pacientes e nos colocamos à disposição para, caso haja necessidade, fornecer mais esclarecimentos.

Andrea Murad prevê calote em funcionários do Carlos Macieira

por Jorge Aragão

Os profissionais da saúde que atuam no Hospital de Alta Complexidade Dr. Carlos Macieira devem ser os próximos a receberem calote do governo Flávio Dino, foi o que denunciou a deputada Andrea Murad nas redes sociais. Quem administra o hospital é o Instituto Gerir que até hoje não pagou o reajuste previsto na convenção coletiva de trabalho de fevereiro desta ano, além de sobrecarregar o corpo de funcionários que foi reduzido desde a entrada da empresa no HCM.

“O Instituto Gerir, quando assumiu a administração do HCM, reduziu o número de profissionais do hospital, onde trabalham sobrecarregados, acumulando funções. Além disso, assim como a EMSERH e ACQUA, o INSTITUTO GERIR não paga o reajuste salarial definido pela convenção coletiva de trabalho em fevereiro deste ano. Portanto, o governo está descumprindo a data base, o aumento previsto por lei”, escreveu a parlamentar.

Andrea Murad vem denunciando constantemente o descaso do governador Flávio Dino com os profissionais que atuam na área da saúde e que hoje trabalham completamente insatisfeitos e sofrendo ameaças, caso reclamem. No caso dos contratados do Instituto Gerir, alguns funcionários receberam a informação que se pagarem o reajuste, o repasse será parcelado.

“Para desespero ainda dos trabalhadores, o contrato com a Gerir findou em julho, onde apenas boatos revelam que foi aditivado por mais 3 meses, porém a empresa ainda não providenciou o pagamento dos benefícios como o reajuste. E mesmo que paguem, funcionários foram informados que o aumento será pago parcelado. Então, mais uma vez os funcionários estão sofrendo um calote do governo, porque não receberão as rescisões, não têm a confirmação do aumento previsto na convenção. Será mais um grupo de empregados que não terá seus direitos trabalhistas garantidos por pura negligência do governador Flávio Dino”, denunciou Andrea.

Reduzir salários, não pagar os direitos trabalhistas, fornecer alimentação precária, faltar materiais básicos de trabalho são as verdadeiras economias que o governo vem fazendo na saúde pública do estado.

Em tempo: No dia 14 de agosto, o Instituto Gerir encaminhou Nota ao Blog fazendo alguns esclarecimentos sobre a denúncia da deputada Andrea Murad. Abaixo a íntegra da nota.

NOTA – Instituto Gerir

A administração do Hospital Carlos Macieira paga os salários dos funcionários imediatamente após receber os repasses do governo estadual. Não há atrasos no pagamento de salários.

A administração do hospital atua com total transparência e respeito aos funcionários, colaboradores, pacientes e acompanhantes.

Andrea Murad quer MP apurando denúncias no HCM

por Jorge Aragão
Clique na figura para ampliar

Clique na figura para ampliar

A deputada Andrea Murad (PMDB) protocolou hoje ofício na Procuradoria Geral de Justiça pedindo que o órgão apure as denúncias sobre o fechamento de 11 leitos de UTIs no Hospital Dr. Carlos Macieira em São Luís. A parlamentar alegou que os leitos desativados “lesam a saúde da população, cure prejudicando o tratamento dos pacientes internados e dos que estão entre a vida e a morte na fila por um leito de UTI”. Na sessão plenária, ailment ela alertou sobre a gravidade do problema e criticou a nota emitida pela Secretaria de Estado da Saúde.

“Será que o secretário não pensa que ele está cometendo crime de responsabilidade, for sale mentindo dessa forma? Que eles estão loucos lá, dando um jeito de reativar as UTIs. Isso é verdade, o desespero tomou conta. Eu convidei vários deputados para me acompanharem ao Carlos Macieira. Pergunta se algum foi? Se algum da base governista foi? Não foram porque descobriram que é verdade. O secretário Marcos Pacheco em vez de estar divulgando notas mentirosas tem é que mandar reativar os 11 leitos de UTI que ele mandou desativar no Carlos Macieira”, disse Andrea Murad.

Andrea Murad denunciou ainda um caso de paciente que aguarda transferência para o HCM e o descaso com a manutenção do sistema de refrigeração do hospital que está há meses com problemas.

“O sistema de refrigeração, a peça já chegou há dez dias mas os custos são muito altos, ainda não está dando para resolver o problema e, enquanto isso, ficam os funcionários com calor, pacientes com calor, fica essa baderna geral. E o governo está assim zombando do povo e maltratando a população. Inclusive, tanto prova que essa questão do Carlos Macieira, é fato que tem uma senhora de 78 anos que teve um AVC, está no hospital em Barreirinhas aguardando leito de UTI no HCM há 15 dias”, denunciou a parlamentar.

SES do Maranhão se posiciona sobre leitos de UTI do HCM

por Jorge Aragão

carlosmacieiraO secretário adjunto de Saúde do Governo do Maranhão, ed Carlos Lula, tadalafil em contato com o Blog fez questão de explicar detalhadamente os problemas atuais enfrentados pelo Hospital Carlos Macieira, mas negou veementemente que tenha acontecido diminuição de leitos de UTI na unidade de saúde.

O gestor assegurou que o ar-condicionado realmente apresentou problemas, mas já foi encaminhado para o Rio Grande do Sul, local da empresa específica que conserta o aparelho de última geração. Entretanto, para amenizar o problema, os leitos de UTI que estavam funcionando em um andar, foram transferidos para o outro andar, até que o problema seja solucionado.

O Blog também recebeu uma Nota da SES e disponibiliza na íntegra para os leitores e agradece ao secretário adjunto pelos esclarecimentos dados em respeito aos leitores do Blog do Jorge Aragão. Veja abaixo.

NOTA

Sobre denúncia feita pela deputada Andrea Murad, em tribuna da Assembleia Legislativa, a Secretaria de Estado da Saúde (SES), em nome do Hospital de Alta Complexidade Dr. Carlos Macieira (HCM), informa que não houve nenhuma redução de leitos de UTI. Pelo contrário, até o final deste ano a SES aumentará 50 leitos no HCM, sendo 40 de enfermaria e 10 de UTI, usando espaços que estão sem utilização dentro do próprio hospital.

Sobre a medicação Ifosfamida, a SES informa que já está disponível no Hospital do Câncer Tarquínio Lopes Filho e que a medicação faltou apenas alguns dias, devido a atraso na entrega.

Andrea Murad volta a cobrar explicações do fechamento de UTI’s no HCM

por Jorge Aragão

andreamuradA deputada Andrea Murad (PMDB) voltou a cobrar explicações do governo sobre o fechamento de 11 leitos de UTIs no Hospital Dr. Carlos Macieira em São Luís. A parlamentar vai acionar nos próximos dias o ministério público e pretende visitar a unidade de alta complexidade.

“Quero saber se a base governista já tem respostas a dar sobre os 11 leitos de UTIs desativados no Hospital Carlos Macieira. Três deles desativados para os médicos terem onde repousar. E oito deles desativados para baixar os custos. É matando pessoas que baixam os custos?UTI é coisa seria! Na UTI, nurse a pessoa está entre a vida e a morte. Que governo é esse? Que Secretário é esse? Que vergonha é essa?”, store discursou Andrea Murad.

A parlamentar tem convidado vários deputados para acompanhá-la no hospital, drugs disse ainda que acabar com UTIs é provocar a morte de pacientes que estão na fila aguardando um leito e pediu que deputados se unam para cobrar a reativação dos leitos.

“Nós deputados devemos realmente nos unir em relação à saúde, porque quando querem se unir por uma coisa que é de seu interesse aí todo mundo se une. E eu quero saber. Eu estou aqui há dez meses falando desta imoralidade que está acontecendo na saúde do Estado e ninguém se movimenta para fazer absolutamente nada ou intervir junto ao Governador para ele parar de ficar maltratando a população. Porque o que ele está fazendo com o povo é maltratar e simplesmente agora está matando as pessoas”, disse.

O desrespeito e o desconhecimento de Levi Pontes

por Jorge Aragão

levipontesabrilO deputado estadual Levi Pontes (SD) precisa entender que para reconhecer algo de bom no Governo Flávio Dino não necessita desrespeitar ninguém e muito menos tentar desmerecer algo que visivelmente não possui conhecimento.

Ao destacar a boa iniciativa do governador em construir um novo Hospital do Servidor, cialis próximo ao Hospital Carlos Macieira (HCM), try Levi Pontes discriminou a Cidade Operária e seus moradores e demonstrou desconhecimento enorme, tanto geográfico como da realidade do Hospital do Servidor (HSLZ).

“Eu nunca consegui entender como é que isso foi feito (retirada da exclusividade do atendimento do servido no HCM), jogando os nossos funcionários públicos, e aqui eu me incluo, porque sou funcionário público estadual, lá para o subúrbio, que eu não sei se é de São Luís, São José de Ribamar ou de Paço do Lumiar, em um hospital que parece outras coisas menos hospital, com uma humilhação total ao servidor público”, afirmou.

Se já não bastasse o desrespeito aos moradores da Cidade Operária e bairros vizinhos, que abrigam muitos servidores públicos estaduais, Levi mente sobre a situação do HSLZ.

A reclamação da distância do HSLZ é questionável, pois se para alguns ficou mais longe, para outros ficou bem mais perto. Agora sobre a qualidade do atendimento do HSLZ, pelo menos no Governo Roseana, jamais foi questionada.

O titular do Blog pode falar com conhecimento de causa, já que por duas vezes teve parentes operados no HSLZ e o atendimento não deixou nada a desejar.

Agora o Blog desafia o deputado Levi Pontes a questionar o motivo pelo qual o Governo Flávio Dino, que já demonstrou ter força na Justiça do Maranhão, pedir de volta o HCM para ser exclusivo do servidor.

Levi sabe que o governador não fará uma loucura dessas, pois não conseguirá mantê-lo com a qualidade e modernidade hoje existente. Esse avanço e essa manutenção só é possível com recursos oriundos do SUS, que só foi viabilizado somente após o HCM deixar de ser exclusivo do servidor.

O próprio novo Hospital do Servidor que está sendo construído, não terá nem de longe a mesma qualidade do HCM, isso pela questão financeira, pois o recurso oriundo apenas dos servidores públicos estaduais e do próprio Estado não é suficiente para isso.

Sendo assim, meu caro deputado Levi Pontes procure respeitar mais e discriminar menos as pessoas e procure mentir menos ou procurar se informar melhor, para evitar falar bobagens desnecessárias na Tribuna da Assembleia.

A grave denúncia de Andrea Murad

por Jorge Aragão

andreamuradFalta de energia, diagnosis falta de combustível em gerador, rx ar condicionado quebrado, drugs risco de equipamentos serem danificados por falta de manutenção adequada e ameaça de mais redução nas cirurgias eletivas do Hospital Dr. Carlos Macieira, foram alguns dos problemas denunciados pela deputada Andrea Murad (PMDB) durante o seu pronunciamento na Tribuna da Assembleia.

“O Hospital Dr. Carlos Macieira desde sábado está funcionando precariamente o sistema de refrigeração. Um prejuízo tanto para o estado em termos de equipamentos, caríssimos, que precisam do sistema de refrigeração funcionando adequadamente, quanto para o conforto dos pacientes. Eu quero saber como vão fazer com as cirurgias? Vão operar sem ar-condicionado, improvisando Split como está acontecendo? O setor de hemodiálise está sem ar condicionado. Na verdade, alguns poucos setores estão com ar improvisado e isso tudo por falta de manutenção. Aparelho de ressonância, tomografia como é que vai ficar?”, denunciou.

Para a parlamentar, a empresa que administra a unidade não tem capacidade para atender o hospital de alta complexidade, considerado um dos mais avançados do Brasil e que hoje atende todo o estado do Maranhão, por isso cobrou providências imediatas do governo para resolver os problemas.

“A empresa Gerir nunca administrou um hospital como Carlos Macieira. E a irresponsabilidade do Governo é tamanha que coloca uma empresa que não tem capacidade técnica de administrar um hospital dessa complexidade causando um prejuízo enorme para a população. O setor de hemodiálise está sem ar condicionado. Na verdade, alguns poucos setores estão com ar improvisado e isso tudo por falta de manutenção. A gente espera realmente que haja uma resposta do Governo e uma atitude rápida para que isso possa ser resolvido”, solicitou a deputada Andrea Murad.

“Não tivemos nenhum óbito em função do incêndio”, afirmou Murad

por Jorge Aragão

Secretário de Saúde Ricardo Murad

No início da noite desta segunda-feira (13), viagra sale o secretário de Saúde, deputado estadual Ricardo Murad, fez questão de convocar a imprensa e falar sobre o incêndio que atingiu um andar do Hospital Carlos Macieira durante três horas nesta manhã.

Ricardo Murad, mais uma vez, confirmou que não houve nenhum óbito em função do incêndio do Hospital Carlos Macieira.

“Pacientes não sofreram nenhuma piora em função do incêndio e não houve nenhum óbito. Eles estão sendo transferidos para o Hospital Geral e lá ficarão até o Hospital Carlos Macieira retomar suas atividades, o que esperamos que aconteça até o fim dessa semana”, afirmou.

O secretário, além de agradecer a solidariedade de todos que de uma maneira ou de outra colaboraram para minimizar os efeitos do incêndio, confirmou que o ocorrido não irá desestimular o trabalho que vai sendo realizado na Saúde do Maranhão.

“O que aconteceu foi um acidente e de maneira nenhuma nos desestimulará. Iremos sim continuar trabalhando pela Saúde do Maranhão e mudar a realidade do nosso Estado”, declarou.

Sobre as investigações, Ricardo Murad afirmou que aguardará as investigações da polícia técnica para saber o que de fato aconteceu.

“Vamos esperar o relatório da polícia para saber as causas e descobrir o que aconteceu e corrigir falhas se elas houverem, e teoricamente se houve uma sabotagem o trabalho da polícia irá elucidar, mas não quero fazer juízo de valor. Foram disponibilizadas as 40 câmeras que existem no hospital para ajudar no trabalho da polícia”, disse.

Finalizando o secretário assegurou que o prejuízo foi mínimo possível, principalmente pela proporção do incêndio.

“Prejuízos para nós é vida, o prejuízo material não é nada de assombroso. Tivemos o problema em uma laje no 2º andar e outros pequenos prejuízos, mas nenhum de grande monta”, concluiu Ricardo Murad.

Incêndio atinge Hospital Carlos Macieira

por Jorge Aragão

Um incêndio atingiu, unhealthy na manhã de segunda-feira (13), look por volta das 10h, pharmacy de uma das alas do Hospital Carlos Macieira, no Calhau, conhecido, também, como “Hospital do Ipem”, em São Luís. O hospital, ainda, encontra-se em reforma. Não houve feridos.

Segundo informações repassadas pelo repórter Domingos Ribeiro, da rádio Mirante AM, que está no local, houve correria e os pacientes foram retirados do prédio por causa da fumaça. A principal dificuldade foi a falta de estrutura do Corpo de Bombeiros. Ambulâncias, equipes da Companhia de Saneamento Ambiental do Maranhão (Caema) e de empresas privadas deram suporte no remoção das vítimas e no controle das chamas.

O secretário-adjundo de Estado da Saúde, José Márcio Leite, afirmou que o incêndio se iniciou na área da farmácia e se propagou facilmente por causa dos materiais inflamáveis no local. No início da tarde, em entrevista à rádio Mirante AM, ele garantiu que todos os pacientes foram removidos com segurança da unidade.

Clique aqui e continue lendo

Leia ainda as declarações da governadora Roseana Sarney (PMDB)