Greve dos Rodoviários é suspensa mais uma vez

por Jorge Aragão

Virou piada. Pela terceira vez consecutiva o Sindicato dos Rodoviários, depois de ameaçar a paralisação do Transporte Público Coletivo de São Luís, resolveu adiar o movimento grevista.

Depois de uma longa reunião nesta segunda-feira (12), entre rodoviários e empresários, a greve prevista para iniciar nesta terça-feira (13), para o bem da população que utiliza o transporte público coletivo, foi novamente adiada.

A reunião desta segunda-feira foi comandada pelo Tribunal Regional do Trabalho do Maranhão (TRT­MA), através da desembargadora federal do trabalho Márcia Andrea Farias da Silva. Apesar de empresários e rodoviários não terem ainda entrado num acordo, a greve, neste momento, foi descartada.

As negociações irão prosseguir pelos próximos dias. Os rodoviários querem um reajuste salarial de 13% e aumento no valor do tíquete alimentação de R$ 490,00 para R$ 650,00. Já os empresários alegam que só conseguem reajustar os salários da categoria em 2%.

É aguardar os próximos capítulos dessa novela que parece interminável.

Greve de ônibus: rodoviários e empresários não chegam a acordo

por Jorge Aragão

A reunião desta segunda-feira (05) foi mediada pela Superintendente Regional do Trabalho e Emprego no Maranhão, Lea Cristina. Estiveram presentes representantes do Sindicato dos Rodoviários, do sindicato patronal e da Secretária Municipal de Trânsito e Transportes.

Mais uma vez, os empresários insistiram na mesma proposta. A classe patronal manteve o posicionamento, de concessão de reajuste salarial de apenas 2% e nenhuma alteração no valor atual do ticket alimentação, que é de 490 reais.

Na ocasião, o Presidente do Sindicato dos Rodoviários, Isaias Castelo Branco, classificou essa proposta como vergonhosa e desrespeitosa, para uma categoria que exerce função indispensável e que quando cruza os braços, causa inúmeros transtornos à população de São Luís.

Diante do impasse, o Sindicato dos Rodoviários do Maranhão decidiu retomar o movimento de greve. Essa medida extrema, adotada pela entidade, é resultado unicamente, da intransigência dos patrões. Nesta terça-feira (06), o Sindicato notificará oficialmente, os principais órgãos e deflagrará a paralisação, após 72 horas, como determina a justiça.

“Demos todos os prazos possíveis aos empresários. O que parece, é que eles não estão com interesse algum em negociar. Nossa paciência esgotou. Não deflagramos a greve nesta segunda (05), devido a uma solicitação da Superintendência do Trabalho e Emprego, que marcou essa nova mediação e por respeito, suspendemos o movimento. Pelo visto o SET quer que os trabalhadores cruzem os braços e é isso mesmo que vai acabar acontecendo, por isso, quero deixar claro à população de São Luís, que se a paralisação dos ônibus for deflagrada, a culpa é dos patrões, que estão irredutíveis em atender o que é de direito dos trabalhadores”, esclarece Isaias Castelo Branco, Presidente do Sindicato dos Rodoviários do Maranhão.

Justiça determina 60% dos ônibus em caso de greve dos rodoviários

por Jorge Aragão

Na manhã desta quinta-feira (01), a Justiça, através da desembargadora federal do trabalho Márcia Andrea Farias da Silva, determinou que 60% da frota de ônibus circule em São Luís na próxima segunda-feira (05), caso aconteça a greve dos Rodoviários, conforme anunciado pela categoria (reveja aqui).

Em sua decisão, a magistrada coibiu ainda as medidas de protesto alternativo como “operação catraca livre”, “operação tartaruga e “operação piquete”, sob pena de aplicação de multa de R$ 1 mil por hora de descumprimento da presente decisão.

A liminar de tutela provisória de urgência foi ajuizada pelo Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET), após a confirmação da greve pelos rodoviários a partir da segunda-feira.

Os empresários seguem oferecendo um reajuste para a categoria de 2,5% nos salários. Os rodoviários alegam que o percentual proposto é inferior ao índice de inflação do período e querem um reajuste de 13%, além do aumento do ticket alimentação para R$ 650,00.

70% da frota de ônibus volta a circular nesta quarta-feira

por Jorge Aragão

Marcos-BraidA Prefeitura de São Luís, doctor por meio da Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT), see e o Governo do Maranhão, sob a coordenação da Agência Estadual de Transporte e Mobilidade Urbana (MOB), participaram de reunião com os representantes dos Sindicato dos Trabalhadores de Transporte Rodoviário de São Luís (Sttrema) e Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de São Luís (SET), nesta terça-feira (23), e que teve como resultado o fim da greve na capital.

Na reunião, ficou decidido o retorno progressivo dos coletivos às ruas e 70% da frota estará circulando na manhã quarta-feira (24), mediante o pagamento da segunda quinzena do salário que está atrasado por parte do sindicato patronal. Durante a negociação, ficou acordado que o pagamento aos motoristas e cobradores será realizado nesta quarta (24) e quinta-feira (25). Com a conclusão do pagamento, 100% da frota voltará a circular gradativamente.

A Prefeitura obteve, no início da tarde desta terça-feira (23), parecer favorável da Justiça do Trabalho que determinou a circulação mínima de 70% da frota de ônibus na capital. Em caso de descumprimento da determinação, o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Maranhão (Strema) e o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de São Luís serão multados no valor diário de R$ 50 mil. Além da determinação do restabelecimento do serviço, uma série de outras medidas foram pleiteadas para evitar depredações e outros prejuízos para a população. A ação de ilegalidade do movimento grevista foi impetrada pela Prefeitura de São Luís, através da Procuradoria Geral do Município (PGM).

A Justiça do Trabalho, atendendo o disposto em Medida Cautelar Inominada proposta – com pedido de liminar – pela Procuradoria Geral do Município de São Luís determinou, sob pena de multa diária no valor de R$ 50 mil (por dia ou fração de dia) que o Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários no Estado do Maranhão (Strema) e o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de São Luís garantam a prestação de serviços de transporte coletivo, disponibilizando para este fim um mínimo de 70% da frota de ônibus em funcionamento, em todas as linhas e itinerários, em todos os horários, com os respectivos motoristas e cobradores, para o atendimento mínimo à população em todos os horários.

Quanto ao Sindicato Profissional, a Justiça determinou que este não coaja os trabalhadores que não queiram aderir ao movimento, que se abstenha de praticar atos de vandalismo e que não bloqueie a livre circulação de carros e pessoas bem como não impeçam a saída dos ônibus das garagens.

O Município alegou e comprovou que Strema informou, por meio de ofício, que a categoria deflagraria a greve geral, com início previsto para as 00h do dia 21 de fevereiro, mas que não constava da referida comunicação o percentual mínimo estabelecido por lei para a garantia da prestação de serviços indispensáveis ao atendimento das necessidades da comunidade, que é o caso do transporte coletivo. “O não estabelecimento de um percentual mínimo de funcionários visando garantir a prestação de serviços inadiáveis à comunidade já demonstra a possibilidade de dano irreparável ou de difícil reparação, caracterizando o perigo da demora”, justificou a desembargadora Ilka Esdra Silva Araújo, relatora da liminar deferida em sede de Medida Cautela Inominada.

Para o procurador geral do Município, Marcos Braid (foto acima), a greve é um instrumento legal, previsto constitucionalmente, mas que o interesse da população bem como seu direito a um serviço essencial – caso do transporte coletivo – também deve ser preservado.