Qual a justificativa, meu caro Flávio Dino???

por Jorge Aragão


 
No cenário político aqui no Maranhão, um dos episódios mais comentado no início da semana foi a chegada do governador Flávio Dino, no helicóptero da Segurança Pública, a cidade de Anapurus.

Inicialmente já se percebe, logo de cara, mais uma incoerência do governador. Flávio Dino sempre criticou esse tipo de prática em gestões anteriores, mas acabou fazendo o uso de um helicóptero, que deveria estar combatendo o crime, para fazer política em Anapurus.

Entretanto, para muitos a situação ultrapassou a questão apenas da moralidade e chegou a ilegalidade. Juristas ouvidos pelo Blog entendem que Flávio Dino cometeu uma improbidade ao conceder uma carona ao ex-ministro do Turismo e ex-deputado federal, Gastão Vieira (PROS).

Ao conceder carona a Gastão Vieira no helicóptero da Polícia Militar do Maranhão, o comunista teria cometido uma ilegalidade clara, afinal Gastão Vieira não faz parte do Governo Flávio Dino, não tem mandato, não é piloto e muito menos pertence a briosa PM do Maranhão.

Sendo assim, fica o questionamento: qual a justificativa para essa carona supostamente improba, meu caro Flávio Dino???

Consolidados

por Jorge Aragão

As recentes movimentações de pré-candidatos ao Senado alteraram o cenário já desenhado para as eleições de 2018. Mais dois nomes já postos à disputa – o ministro Sarney Filho (PV) e o ex-ministro Gastão Vieira (Pros) – continuam com seu projeto inalterado, independentemente de partidos ou coligações.

Sarney Filho já disse que sua prioridade em 2018 é a eleição de senador, não necessariamente o partido. Ele pode até deixar o PV, mas ressalta que este não é um assunto para o momento. Precisa, por exemplo, saber das regras eleitorais, que devem ser divulgadas em setembro pela Justiça Eleitoral. De uma forma ou de outra, Sarney Filho tem posição consolidada como candidato em qualquer circunstância.

O ex-ministro Gastão Vieira segue na mesma linha. À frente do Pros, ele vai seguindo o roteiro dos candidatos e ocupando espaços, embora não tenha chapa definida até agora. De uma forma ou de outra, não descarta compor com nenhum dos candidatos a governador, porque entende que agrega valor a qualquer chapa.

Talvez até pela consolidação dos próprios nomes, Sarney Filho e Gastão Vieira navegam numa faixa diferente, longe dos debates partidários e sem crises internas em suas legendas ou grupos políticos.

Enquanto isso, a questão do Senado na chapa do governador Flávio Dino (PCdoB) parece uma guerra de foice no escuro, com uma penca de candidatos, mas todos querendo se viabilizar, para usufruir das benesses do governo. E a crise só aumenta nessa seara.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

Gastão Vieira x Roberto Rocha, mais um round

por Jorge Aragão

O primeiro grande embate entre o senador Roberto Rocha (PSB) e o ex-ministro do Turismo e ex-deputado federal, Gastão Vieira (PROS), foi nas eleições de 2014 e naquele momento Rocha venceu a disputa, elegendo-se senador.

Agora um novo round aconteceu através das redes sociais e meios de comunicação. Gastão Vieira, em entrevista ao jornal O Estado do Maranhão, afirmou que o eleitorado maranhense está desiludido com a eleição de Rocha e confirmou que será candidato novamente ao Senado em 2018.

“Há uma desilusão e um desgaste muito grande com Roberto Rocha e isso remete sempre a mim. ‘Ah, eu deveria ter votado no senhor, não em Roberto. Me arrependi de ter votado nesse cara’. Isso ajuda muito de certa forma a compor esse quadro. Agora, ninguém é candidato ao Senado sem grupo”, comentou.

Gastão, agora nas redes sociais, demonstrou que está com a “língua afiada” e também criticou movimentos em prol das candidaturas ao Senado de Sarney Filho (PV), até outrora aliado, e Weverton Rocha (PDT).

“Nos últimos tempos, temos acompanhado o lançamento de Pré-candidaturas ao Senado, em eventos que surgem de dentro para fora, organizados pelas próprias assessorias. Podemos comparar os resultados dos eventos com PIB brasileiro: ‘os sinais vitais estão presentes, mas nada assegura um crescimento sustentável’”, escreveu.

Se Sarney Filho e Weverton Rocha não quiseram passar recibo, Roberto Rocha respondeu e bateu forte. Veja abaixo.

FNDE: Democratas vence a disputa e Gastão Vieira se despede

por Jorge Aragão

img_2873

Muito se especulava sobre a saída do maranhense Gastão Vieira do FNDE – Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, mas imaginava-se que a vaga seria uma indicação dos senadores maranhenses – Roberto Rocha (PSB), Edison Lobão e João Alberto (ambos PMDB).

Entretanto, a vaga do novo presidente do FNDE ficou com o Democratas. O indicado do DEM para o cargo é Silvio de Sousa Pinheiro, que deve assumir o cargo nas próximas horas.

O novo presidente do FNDE já esteve inclusive reunido com o presidente do DEM no Maranhão, o deputado federal Juscelino Filho, que inclusive é o líder da Bancada do Maranhão no Congresso Nacional.

Já o maranhense Gastão Vieira utilizou as redes sociais para se despedir do FNDE. Na oportunidade, mais uma vez, lamentou que os senadores maranhenses tenham brigado pelo cargo e reconheceu que perdeu a disputa para o DEM. Gastão Vieira diz que deixa o cargo com o sentimento de dever cumprido.

gastao

Gastão Vieira recebe premiação da Controladoria Geral da União

por Jorge Aragão

premio-fnde

Na sexta-feira (09), Dia Internacional contra a Corrupção, o presidente do FNDE, Gastão Vieira, recebeu da Controladoria Geral da União o prêmio de melhor iniciativa na categoria Fortalecimento dos Controles Internos do 4º Concurso de Boas Práticas da Controladoria-Geral da União (CGU).

A iniciativa premiada foi o software de código aberto Fiscaliza Fatura (FisFa) responsável pelo aperfeiçoamento da fiscalização de faturas dos agentes financeiros do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). Desenvolvido pela Diretoria de Gestão de Fundos e Benefícios, o software gerou uma economia de mais de R$ 65 milhões em um ano.

Na cerimônia de entrega do prêmio, em Brasília, Gastão Vieira destacou a importância da criação de ferramentas de controle para evitar o desperdício de recursos públicos. “Hoje o FNDE dá mais um passo para se tornar um exemplo, não só de transparência, mas em iniciativas no aperfeiçoamento de processos que garantam um serviço cada vez mais qualificado para toda a população brasileira. O recebimento do prêmio é o reconhecimento ao trabalho de uma equipe empenhada em criar ferramentas de controle para evitar o desperdício de dinheiro público. E isso, significa que estamos no caminho certo”, disse.

O secretário de Educação Básica do MEC, Rosseli Soares, na ocasião representando o ministro da Educação, Mendonça Filho, elogiou a iniciativa. “Para nós do Ministério da Educação é uma alegria muito grande receber esse prêmio, por ser o Fies um de nossos maiores desafios. Por isso, quero parabenizar todos os servidores do FNDE e o presidente Gastão Vieira por mais esta conquista”.

Com a utilização do FisFa, o processo de fiscalização das faturas dos agentes financeiros do Fies foi otimizado, tanto em agilidade quanto no controle das informações dos contratados e do próprio Sistema Informatizado do Fies (SisFies), o que atende a diretrizes dos órgãos de controle.

Além disso, o sistema desenvolvido pelo servidor público Allan Castro, sob o comando do diretor de Gestão de Fundos e Benefícios do FNDE, Antônio Corrêa, em pouco mais de um ano, já possibilitou a economia de mais de R$ 65 milhões, uma vez que reduziu a quantidade de erros e divergências encontradas nas faturas dos bancos.

Neste ano, o Concurso de Boas Práticas da CGU contou com 43 inscritos, divididos em cinco categorias. As iniciativas foram avaliadas segundo critérios previamente estabelecidos, como criatividade e inovação, custo-benefício, impactos da iniciativa/contribuição para a efetividade, simplicidade e replicabilidade.

Gastão volta a criticar investida de senadores no FNDE

por Jorge Aragão

gastaoO ex-ministro do Turismo, Gastão Vieira (PROS), presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) no Governo Federal, criticou as investidas dos senadores Roberto Rocha (PSB), João Alberto (PMDB) e Edison Lobão (PMDB) pelo comando da autarquia.

Em pronunciamento no fim de semana no povoado Belo Monte, no município de Colinas, ele afirmou que a bancada maranhense no Senado não vai conseguir o derrubar.

Durante o discurso, ele criticou a postura de Roberto Rocha, eleitor na chapa de Flávio Dino (PCdoB) em 2014, e assegurou que é ele, e não o socialista, quem ajuda o governador do Maranhão.

“O que eu lamento é que, depois de uma eleição para o Senado, em que eu não ataquei ninguém, perdi a eleição por menos de 150 mil votos, porque o Flávio [Dino] vendeu a ideia de que ele precisava de um senador de oposição e que ajudasse ele. O senador dele, de oposição, hoje vota com o governo [Michel Temer] e quem ajuda ele [Flávio Dino] sou eu, que trouxe 64 ônibus para o Governo do Estado”, alfinetou.

De acordo com Gastão, os representantes do Maranhão no Senado queriam que se “escondesse os ônibus e não distribuísse, porque o governador era Flávio Dino”.

“E é por isso que, lamentavelmente, os três senadores do Maranhão, seu Roberto Rocha, seu João Alberto e seu Edison Lobão vão para o gabinete do presidente: ‘Olha aqui, presidente, o Gastão com Flávio. O senhor tem que demitir ele daí’”, alegou.

Leia mais sobre o tema aqui

Gastão Vieira precisa ficar de olhos ainda mais abertos

por Jorge Aragão

gastaoComo era esperado, doctor os três senadores do Maranhão, prescription Edison Lobão, sale João Alberto, ambos do PMDB, e Pinto da Itamaraty (PSDB), que está substituindo Roberto Rocha, do PSB, votaram favoráveis a PEC do Teto no Senado Federal.

A PEC que estabelece um teto para os gastos públicos pelo período de 20 anos, era um desejo imprescindível do presidente do Brasil, Michel Temer, e acabou sendo aprovada, por 61 votos a favor e 14 contra, mesmo diante da pressão de alguns segmentos da sociedade.

Até aí tudo normal, mas se prevalecer a informação repassada pelo Correio Braziliense, já inclusive postada pelo Blog do Jorge Aragão (reveja), é bom o ex-deputado federal e atual presidente do FNDE, Gastão Vieira, ficar de olhos ainda mais abertos.

Na Nota do Correio Braziliense, com o título “toma lá dá cá no teto”, diz que os senadores maranhenses estariam barganhando o cargo de Gastão Vieira em troca do voto na PEC do Teto.

Ou seja, se a informação for verdadeira, os senadores maranhenses já cumpriram sua parte, resta saber se Temer cumprirá o acordo.

De qualquer forma, Gastão Vieira ainda tem a seu favor, além do bom trabalho que tem desempenhado, o fato de ser de um partido da base do Governo Temer (PROS) e a relação de amizade com o ex-presidente José Sarney.

É aguardar e conferir.

Gastão Vieira podendo ser vítima do “toma lá dá cá”

por Jorge Aragão

correio

 

Alguns senadores planejam aproveitar a proposta de emenda constitucional do teto de gastos para obter algum benefício do governo. Os três do Maranhão, cialis por exemplo, Edison Lobão, João Alberto, ambos do PMDB, e Roberto Rocha, do PSB, fazem pressão pela substituição do presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Gastão Vieira. O orçamento do fundo é da ordem de R$ 59 bilhões, a maioria comprometida com despesas obrigatórias.

O governo ainda não disse se cederá. Afinal, Gastão Vieira é ex-deputado, já foi do PMDB de José Sarney e hoje está numa legenda aliada ao Planalto. O pedido para substituí-lo foi feito há um mês e, como a troca não ocorreu, eles agora aproveitam para uma nova investida. O Planalto ainda não disse nem sim nem não. É o presidente Michel Temer no seu estilo de deixar estar para ver como é que fica a solução natural logo ali na frente.

Correio Braziliense desta terça-feira, 29 de novembro de 2016

“Especulação sobre minha saída atrapalha”, diz Gastão Vieira

por Jorge Aragão

gastaoO ex-deputado federal Gastão Vieira (PROS) e atualmente no comando do FNDE – Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – lamentou a especulação quase diária sobre sua eventual saída do órgão.

Desde o fim de outubro é que blogs afirmam que a saída de Gastão Vieira do FNDE seria apenas questão de tempo. O senador Roberto Rocha (PSB) estaria tentado emplacar o nome do ex-secretário da Casa Civil no Governo José Reinaldo Tavares, case Pedro Maranhão. O nome de Pedro Maranhão também contaria com a simpatia dos outros dois senadores maranhenses, Edison Lobão e João Alberto.

Apesar de já ter abordado o assunto indiretamente (reveja), dessa vez Gastão Vieira desabafou e afirmou que a especulação está atrapalhando o trabalho no FNDE.

“A semana foi muito difícil com a especulação sobre minha saída do FNDE. Embora sem qualquer substância, atrapalha e coloca em cheque a tranquilidade do FNDE. O TCU, por outro lado, divulgou uma forte avaliação do FIES falando em “pedalada” e “rombo”. Estou tranquilo e seguro do trabalho da diretoria. Vamos contestar o TCU como já o fizemos. O FIES é um grande programa, socialmente indispensável…….vou lutar pela sua manutenção”, afirmou.

Nesta segunda-feira (28), o Blog do jornalista Marco D’Eça abordou o assunto ouvindo a opinião do também senador João Alberto (PMDB) sobre a tal suposta saída de Gastão Vieira (veja aqui).

É aguardar e conferir, Entretanto, até lá, o trabalho continua, pelo menos é o que assegura Gastão Vieira.

Gastão Vieira segue trabalhando normalmente no FNDE

por Jorge Aragão

Enquanto alguns blogs noticiam que o senador maranhense Roberto Rocha (PSB) trabalha duramente para “derrubar” Gastão Vieira do comando do FNDE – Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação, sale para emplacar um aliado, Vieira segue trabalhando normalmente no cargo.

Roberto Rocha tem tentado emplacar o nome do ex-secretário da Casa Civil no Governo José Reinaldo Tavares, Pedro Maranhão. O nome de Pedro Maranhão também contaria com a simpatia dos outros dois senadores maranhenses, Edison Lobão e João Alberto.

Utilizando as redes sociais, Gastão Vieira afirmou que o “trabalho no FNDE continua”. Gastão Vieira disse ainda que sua preocupação agora é com as obras que seguem paralisadas em todo o Maranhão. Veja abaixo.

gastao

Resta saber se o PROS e Gastão Vieira terão força para ficar no comando do FNDE, ou se Roberto Rocha conseguirá mesmo emplacar mais um aliado no Governo Michel Temer.