O sucesso da 10ª edição da Feira do Livro em São Luís

por Jorge Aragão

livro1

A 10ª edição da Feira do Livro de São Luís (FeliS), encerrada no último domingo (13), foi um sucesso de público. Cerca de 150 mil pessoas prestigiaram os sete dias de evento cuja programação reuniu escritores locais e nacionais em uma grande celebração às letras. A conferência de encerramento foi com o jornalista e escritor, Caco Barcellos, do Profissão Repórter da Rede Globo. Ele partiucipou da Feira em dois momentos: a tarde no Espaço Jovem com um bate-papo para a juventude e à noite em plaestra com tema “A arte da Comunicação”, mediada pelo curador da 10ª FeliS, Alberto Júnior.

Barcellos destacou que a reportagem nada mais é que uma história contada a partir de vários olhares. “É preciso ter muito cuidado porque um bom repórter fala em nome da sociedade e ele não coloca a sua visão. Ter ética em uma era de informação muito volátil é essencial, é o que determina a credibilidade do profissional. Uma entrevista pode conter mentiras, portanto é preciso comprovar cada palavra dita, os fatos dizem por si só. No Profissão Repórter temos um processo colaborativo, não damos ordens, damos exemplos”, disse o jornalista.

O repórter celebrou 10 anos de Profissão Repórter com um montante de 1.200 reportagens no ar e falou de sua influência literárias. “Eu sempre ouvi e contei histórias, nunca fiz nenhum outro trabalho que não fosse esse. A única diferença é que tudo que eu conto é real, eu intitulo de ‘Romance de não ficção’. É uma herança do meu avô que era trovador e contava histórias ao som do violão, cresci ouvindo aquilo. Escolhi estar nas ruas, fazendo o que eu gosto, porque minha família sempre me ensinou a não abrir mão a minha felicidade e acho que isso é o mais importante da vida. Acredito que além disso, os livros são uma oportunidade concentrada no melhor que o autor pode dar, damos cada dia uma nova oportunidade aos leitores de nos conhecerem”.

livro

Com um total de 120 apresentações, 70 grupos artísticos, 40 contações de histórias, 28 intervenções, 14 palestrantes nacionais, 50 escolas e 30 mil crianças atendidas em diferentes atividades infantis, como o Cine Sesc, Biblio Sesc, pinturas faciais, brincadeiras lúdicas e leitura, a 10ª Feira do Livro de São Luís aconteceu de 7 a 13 de novembro, na Praia Grande.

Nos lançamentos de livro, 91 obras inéditas e relançamentos foram apresentados ao público na Casa do Escritor Maranhense e estandes das Universidades Estadual do MAranhão (Uema) e Federal do MAranhão (UFMA), além de 15 crianças que participaram do “Escritores Mirins”.

Começa a Feira do Livro em São Luís

por Jorge Aragão

feiraO prefeito Edivaldo lançou oficialmente a 9ª Feira do Livro de São Luís na sexta-feira (2), health na Casa do Maranhão, patient destacando sua alegria por esta retornar à Praia Grande. Com o tema “Cidade Livre, Cidade do Livro”, o maior evento literário do Maranhão segue até o dia 11 no Centro Histórico.

“A feira contribui de forma significativa para a ampliação do saber da população. Nela celebramos a inteligência de nosso poetas e escritores que aqui buscaram e buscam a excelência intelectual que confere orgulho a todos os nossos conterrâneos. Esta feira busca honrar nossas tradições culturais, pretende ser uma justa homenagem ao encontro de artes, artistas, escritores, intelectuais e público”, disse o prefeito, ressaltando a tradição poética e cultural de São Luís.

Secretários de estado e do município de São Luís, poetas, escritores, intelectuais, diretores de instituições parceiras na realização da 9ª FeliS e um grande público formado sobretudo por jovens lotaram o principal salão da Casa do Maranhão para prestigiar a abertura oficial do evento. O grupo Circo na Rua foi uma das atrações artísticas da abertura da feira, que contou ainda com a participação da banda do Projeto Orquestrando a Vida, mantido através de parceria do Sesc com a Secretaria Municipal de Educação (Semed).

Pela primeira vez, uma mulher é patrona da feira: a professora de História da Universidade Estadual do Maranhão, Lourinha Lauande Lacroix. Nesta edição, serão homenageados os escritores Mário Meireles, Alberico Carneiro, Mary Ferreira e Raimunda Frazão.

O prefeito Edivaldo mencionou a importância da justa homenagem ao escritor e historiador Mário Meireles (in memoriam), na solenidade de abertura representado pelas filhas, nesta edição da FeliS. “A feira se reveste de grande importância para a formação da cidadania por colocar a cultura ao alcance de todos. Para além de eventos como este, nossa gestão está imbuída do compromisso de incentivar a leitura dentro e fora do ambiente escolar”, disse Edivaldo. A implantação de bibliotecas nas escolas e programas como Espaços de Leitura e Carro Biblioteca foram citados pelo prefeito como exemplo deste compromisso.

Das três feiras realizadas pela atual gestão, duas se concentraram em espaços da Praia Grande. A parceria entre a Prefeitura de São Luís e o Governo do Estado assegurou a utilização de equipamentos da Secretaria de Estado da Cultura, como a Casa do Maranhão, pela primeira vez abrigando atividades da feira.

A aproximação do evento com a população é uma das propostas da feira na administração do prefeito Edivaldo. Este motivo levou a organização a abrir dois novos espaços: um dedicado à Literatura de Cordel (Rima é vida), na Praça da Faustina, e outro é o Espaço Dramaturgo, convergência para as atividades em artes cênicas, no auditório da Escola de Música Lilah Lisboa.

Até o dia 11 de outubro, mas de 60 obras de autores maranhenses serão lançadas em espaços institucionais da feira. A coordenadora geral da ª FeliS, Rita Oliveira, ressaltou que o evento não apenas cumpre o calendário de atividades culturais da administração pública, mas elege a felicidade como parte do processo de construção coletiva. “A feira do livro é de todos nós”, resumiu Rita Oliveira.

Começa hoje a Feira do Livro de São Luís

por Jorge Aragão

feiraA 9ª Feira do Livro de São Luís será aberta nesta sexta-feira (2), mind às 19h, na Casa do Maranhão. Com o tema “Cidade Livre, Cidade do Livro”, a 9ª FeliS, promovida pela Prefeitura de São Luís, por meio da Fundação Municipal de Cultura (Func), em parceria como o governo do Estado, se estende até o dia 11, na Praia Grande e em espaços culturais do Centro Histórico da cidade.

“A Feira do Livro já se consolidou no calendário de nossa cidade e é um grande evento que atrai todas as idades para desfrutar da cultura e da literatura juntas, em família, entre amigos. Essa é uma ferramenta efetiva para que nossos escritores sejam valorizados e para que nossos leitores sejam incentivados à busca do conhecimento e à prática da leitura”, disse o prefeito Edivaldo.

A historiadora e professora da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), Lourdinha Lauande Lacroix é a patrona do maior evento literário da capital em 2015. Os escritores Mário Meireles (in memoriam), Alberico Carneiro e Raimunda Frazão e a bibliotecária Mary Ferreira são homenageados na nona edição da Feira do Livro de São Luís.

A parceria com o governo do Estado, através das secretarias de Estado de Educação (Seduc); da Ciência e Tecnologia (Sectec); e da Cultura (Secma), reforçou os investimentos na feira. No retorno à Praia Grande, a Felis vai ocupar diversos espaços do centro histórico como Casa do Maranhão, Centro de Criatividade Odylo Costa, filho, Teatros João do Vale e Arthur Azevedo, Escola de Música do Maranhão, Praças Nauro Machado e da Criança, prédio do curso de História da Uema, entre outros espaços. A comercialização de livros será realizada em 48 estandes no espaço instalado no estacionamento da Praia Grande.

O escritor Antonio Carlos Secchin abre a programação oficialmente no sábado (3), às 19h, no Teatro João do Vale, com a conferência sobre o tema “Livro, leitura e liberdade: Drummond e Cabral, jovens leitores”, abordando a obra do poeta mineiro e do pernambucano autor de “Morte e Vida Severina”.

CORDEL – Os espaços exclusivos para a literatura de cordel e para o texto teatral aparecem como novidade na feira deste ano em São Luís. No Espaço Rima, poetas e cordelistas se encontrarão na Praça da Faustina, na bifurcação da Rua do Giz com João Gualberto e Humberto de Campos, todos os dias de realização da feira, a partir das 17h. A cordelista ribamarense Raimundinha Frazão, homenageada nesta edição, será presença cativa no espaço de rimas e repentes. A produção dramatúrgica e cênica maranhense será o foco central das atividades e palestras realizadas no auditório da Escola de Música Lilah Lisboa (Emem).

Além da presença de escritores que pela primeira vez estarão no Maranhão, a Felis traz escritores que despontam no universo das letras pela abordagem engajada, como Daniel Munduruku, indígena paraense com título de doutor em Literatura, que vai proferir palestra sobre a oralidade do índio. Ele aproveitará a oportunidade para visitar as escolas da rede municipal de São Luís. Já a escritora feminista Clara Averbuck vai tratar em palestra sobre as novas tendências da prosa urbana brasileira. No elenco de escritores nacionais estão confirmados 34 nomes que participarão de palestras e rodadas de autógrafos no período de realização da feira.

Nesta edição da FeliS, letras e músicas se encontram em diversos eventos, entre os quais se destacam as presenças do poeta, filósofo e compositor Antônio Cícero (RJ), que falará sobre a relação da cidade com o livro; Marcelo Yuka (RJ), ex-baterista da banda O Rappa, em mesa de debate abordando ativismo e poesia entre os jovens.

Dois nomes de peso do Nordeste estarão na 9ª FeliS: o veterano Fausto Nilo, parceiro de Fagner e Zeca Baleiro em várias composições; e a contemporânea Karina Buhr, do Pernambuco.

A programação da feira materializa a literatura em palcos distintos. Na Praça Nauro Machado, sempre às 17h, acontecerão intervenções artísticas. No Cine Teatro da Cidade e no Cine Praia Grande serão exibidos filmes exclusivamente para as crianças. A Secretaria Municipal de Educação (Semed) e Sesc realizam em parceria toda a programação infantil que além de cinema terá contação de história, jogos infantis, e atividades de leitura.