Insulto insistente

por Jorge Aragão

Os membros graduados do governo Flávio Dino (PCdoB), sobretudo o chefe da Articulação Política, Márcio Jerry, insistem em tentar desqualificar o trabalho da Polícia Federal na Operação Pegadores, que levou para a cadeia 17 pessoas, incluindo auxiliares e ex-auxiliares do próprio governo comunista.

Primeiramente, Jerry, o próprio Flávio Dino e seus aliados na imprensa tentaram desqualificar a operação atribuindo a ela caráter político. A reação comunista foi vista como insulto a uma das instituições mais respeitáveis da República, o que levou Marcio Jerry e companhia a recuar nas agressões.

Mas de ontem para hoje as provocações à Polícia Federal continuaram, dessa vez nos braços comunistas na imprensa.

Eles agora tentam negar a existência do supersalário de R$ 13 mil pagos a Keilane Silva, uma das amigas de Márcio Jerry envolvidas no escândalo dos salários fantasmas. A história do salário camarada pago à amiga de Jerry surgiu na imprensa em 2015. E foi essa informação que serviu de base para a investigação da PF, que resultou na Operação Pegadores.

Se existiu ou não este salário de Keilane foi esse fato que serviu de inspiração para a investigação. E a PF descobriu mais de 400 fantasmas recebendo salário na estrutura das empresas e institutos que prestam serviços para a Secretaria de Saúde.

O fato é que, inconformados com o desbaratamento da quadrilha que desviou R$ 18 milhões, a partir do contracheque da amiga de Márcio Jerry, os comunistas tentam atacar a Polícia Federal. E a Polícia Federal, sem importar-se com os ataques, já está na fase de conclusão do inquérito, que deve levar pelo menos uma dezena dos envolvidos para a cadeia. Sejam eles ou não ligado aos poderosos do PCdoB.

Estado Maior

Tudo em casa

por Jorge Aragão

A Operação Pegadores, da Polícia Federal, revelou uma estranha proximidade dos gabinetes e pessoas muito próximas do governador Flávio Dino com os malfeitos descobertos na Secretaria de Saúde.

Seu principal auxiliar, presidente do seu partido, amigo de longas datas e lugar-tenente de suas ações políticas e pessoais, jornalista Márcio Jerry, aparece como vínculo direto de pelo menos dois personagens da trama.

A enfermeira Keilane Silva, tida como amiga de Márcio Jerry, motivo pelo qual recebeu contracheque de R$ 13 mil em Imperatriz, foi o pivô da investigação. Ainda em 2015, surgiu a notícia de que a amiga de Jerry recebia um alto salário como enfermeira em Imperatriz apenas pelo fato de ter relação com o secretário.

Foi a partir dela que a Polícia Federal decidiu investigar o esquema. Mas o supersecretário de Flávio Dino tem gente ainda mais próxima envolvida no esquema. Sua cunhada, Jane Rodrigues, teve R$ 50 mil bloqueados pela Justiça Federal e é apontada como uma das cabeças da lista de funcionários fantasmas da SES. Casada com um dos irmãos de Jerry, Jane se aproxima do gabinete de Flávio Dino por meio do cunhado, principal auxiliar do governador.

A trama descoberta pela Polícia Federal bota, portanto, o esquema da Operação Pegadores no principal gabinete do Palácio dos Leões, por intermédio de Márcio Jerry, o homem de confiança do comunista.

Estado Maior

Insultos comunistas

por Jorge Aragão

Sem defesa para os malfeitos de seu governo, o governador Flávio Dino e seu principal auxiliar, o supersecretário Márcio Jerry (ambos do PCdoB), passaram os últimos dois dias a insultar, agredir, ofender e desqualificar o trabalho da Polícia Federal, que desbaratou uma quadrilha que desviou mais de R$ 18 milhões na gestão comunista.

Dino e Jerry não se conformam de terem sido pegos com a mão na botija. Sobretudo pelo fato de que foi a partir de uma mulher indicada por Jerry, com salário de R$ 13 mil na Secretaria de Saúde, que a PF passou a investigar o esquema na atual gestão.

O governador prefere atacar adversários políticos e jogar a culpa em terceiros pelos seus malfeitos – aliás, como virou costume em seu governo. Jerry, por outro lado, prefere insultar a própria Polícia Federal, atribuindo a investigação em seu governo a ingerências políticas.

Ao desqualificar a Polícia Federal, o principal auxiliar de Flávio Dino – que foi juiz federal e, muitas vezes, precisou da ação da instituição – agride não apenas uma das instituições mais respeitáveis da República, mas a própria República.

Se havia malfeitos na pasta da Saúde, Flávio Dino teve três anos para corrigir o problema. Poderia ter feito em 2015, em 2016 ou em 2017. Mas passou esse tempo todo convivendo com essa corrupção bem na frente do seu nariz. E com indicados do seu próprio lugar-tenente.

Talvez até pelo fato de ter sido o pivô da investigação é que Jerry insulta tanto a Polícia Federal. Mas, junto com ela, insulta também a inteligência do maranhense.

E é este o problema do “sabido”.

Estado Maior

Orcrim comunista

por Jorge Aragão

A ação desencadeada ontem pela Polícia Federal no Maranhão exibe, de forma cristalina, como o estado passou a viver a partir da ideia de mudança implantada pelo governo comunista de Flávio Dino, em 2015.

A PF revelou que uma quadrilha formada por auxiliares do governo estadual roubou cerca de R$ 18 milhões da Secretaria de Saúde – valor que pode ser ainda maior.

Flávio Dino assumiu o governo em 2015 pregando a mudança em todos os aspectos no Maranhão. O que se viu até hoje, mais de dois anos depois, foram sucessivos escândalos de corrupção envolvendo, sobretudo, a pasta da Saúde, que, até 2014, era exemplo de excelência no atendimento e eficiência na prestação de serviços.

Pior: a mesma secretaria que deveria ser responsável pela fiscalização dos atos do governo – a pasta da Transparência, comandada por Rodrigo Lago – serviu, nestes dois anos, para produzir relatórios contra adversários, usando setores do Ministério Público e do próprio Judiciário para perseguições desenfreadas.

A data de ontem marcou o dia em que o mundo soube que o governo comunista no Maranhão era palco de desvios milionários de recursos que deveriam servir aos doentes no estado. Fatos atestados pela Polícia Federal.

Estado Maior

A (in)segurança comunista

por Jorge Aragão

O governo Flávio Dino (PCdoB) provocou um desmonte nas instituições públicas e nos setores governamentais em todos os níveis. Mas nenhum outro setor vive mais problemas que a Segurança Pública, desde que o aparelhamento comunista se instalou no sistema.

Prefeitos revelam que são eles os responsáveis pela manutenção de todos os aspectos policiais no interior – desde alimentação até combustível para viaturas. O resultado é uma distorção que resultou em casos escabrosos, como a do mecânico Irialdo Batalha, em Arari, ou a do empresário morto após ter sido enjaulado, em Barra do Corda.

Mas para criar uma sensação artificial de segurança, o governo – dizia-se em todas as rodas – teria mantido um pacto de não agressão com facções criminosas: deu a ela o controle absoluto do sistema penitenciário em troca do fim das ações nas ruas das grandes cidades.

Ao que tudo indica, este pacto acabou ou foi precipitado pelas ações recentes de lado a lado. Desde a morte do criminoso conhecido por Chacal, no fim de semana – executado na Maioba ao lado do padrasto, que era policial militar – uma onda de ações criminosas se espalhou por comunidades da periferia de São Luís, deixando um clima de terror na população assustada com a falta de segurança.

Em alguns bairros – como Bairro de Fátima, Vinhais Velho, Barreto e Liberdade já há até toque de recolher, gerando um clima de favela carioca nas comunidades de São Luís. E o chefe da Segurança comunista Jefferson Portela, parece preferir perseguir delegados que denunciam a falta de estrutura.

Estado Maior

Vai encarar???

por Jorge Aragão

O governador Flávio Dino (PCdoB) saiu-se ontem com mais uma das suas tiradas demagógicas e fantasiosas. Em suas redes sociais, anunciou uma inverdade. Disse ele, textualmente: “A TV Globo do Maranhão jamais me entrevista ou acompanha atos do meu governo”.

Todos sabem do fetiche do governador comunista pelo Grupo Mirante e por O Estado. Mas, obviamente que Dino não falou do seu desejo incontido na postagem das redes sociais.

Além de cobrir todos os atos que julga importantes do governo em todas as suas instâncias, o Grupo Mirante tem as portas abertas para qualquer chefe de governo ou ocupante de cargo público. Basta ver as notas diárias em O Estado, nos telejornais da emissora e na franquia aberta nos programas de rádios da Mirante AM.

Mas Flávio Dino sempre se acovardou a falar aos microfones da Mirante AM, sentar com os jornalistas de O Estado ou conversar abertamente com os repórteres da TV Mirante.

Em 16 de agosto de 2014, ele estava devida e oficialmente convidado para entrevista na série promovida pela rádio Mirante AM com os então candidatos a governador. Simplesmente não compareceu.

Pouco mais de um mês depois, em 22 de setembro, novamente convidado, o governador não deu o ar da graça. Foi o único a faltar à sabatina.

Mas se Dino quer mesmo tanto falar aos microfones do grupo, que se prepare: está sendo preparada a reedição da bem-sucedida experiência da Sabatina O Estado, que ocorreu nas eleições de 2016, em um formato inédito no Maranhão, com ampla cobertura de todos os veículos do grupo.

Se Dino tem tanto desejo de falar, que se prepare para encarar os jornalistas de O Estado, da Mirante AM e da TV Mirante.

Estado Maior

Novos caminhos

por Jorge Aragão

Bastaram duas semanas para que a pré-candidatura da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) ao Governo do Estado passasse a ser ponto de referência para prefeitos, ex-prefeitos e vice-prefeitos no interior maranhense.

Desde que a peemedebista anunciou o desejo de concorrer ao cargo, dezenas de gestores manifestaram interesse em tratar com ela sobre 2018.

O fluxo de liderança em busca de conversa com Roseana se dá por dois motivos. O primeiro é o desprezo do governador Flávio Dino (PCdoB) às ações municipais. O outro é a proximidade da própria Roseana com o Governo Federal, o que abre portas importantes em Brasília.

Gestores de todos os matizes partidários reclamam da incapacidade de diálogo de Flávio Dino, que não pensa duas vezes em perseguir e pressionar quem não segue sua cartilha. E é este temor que faz com que esses gestores recorram à ex-governadora ou a seus aliados mais próximos, em busca de contato ou de sinalização para as eleições.

Roseana ainda não tem previsão de quando seguirá ao interior nesta pré-campanha. Mas o movimento de prefeitos, ex-prefeitos e vice-prefeitos fazem com que, cada vez mais, o seu grupo político tenha a convicção de que é necessário um encontro ainda este ano para debater o cenário de 2018.

Estado Maior

Ser ou não ser

por Jorge Aragão

Mesmo após a decisão da direção nacional do PSDB – até então sob o comando de Tasso Jereissati – de destituí-lo da presidência estadual tucana, o vice-governador do Maranhão, Carlos Brandão, não entrega os pontos.

Os discursos de Brandão e suas tentativas na Justiça de evitar sua retirada da presidência do PSDB refletem medo do descaso que terá por parte de seus aliados no governo.

Explica-se: Brandão sabe que sem uma moeda de troca forte, seu empenho político dos últimos anos significará nada para o governador Flávio Dino (PCdoB) e seus asseclas. Sem força partidária, para os comunistas significa um ser sem importância.

E como as pretensões do vice passam pela disputa à Câmara dos Deputados, não basta se mostrar empenhado em defender o governo. É preciso ter o que dá em troca. E pelo desenrolar de todo o processo envolvendo os tucanos, ele tem pouco o que oferecer a Dino. Pelo menos do ponto de vista prático.

O que Brandão faz agora é mostrar que mesmo em circunstâncias desfavoráveis estará ao lado do governador, a qualquer custo. A dúvida é se isso terá alguma importância para Dino e os demais comunistas. E outra: sem partido, ele conseguirá o apoio esperado de Flávio Dino?

Não se descarta, claro, a possibilidade de, em nome da unidade tucana, o vice decida continuar no PSDB e, assim, apoie a candidatura de Roberto Rocha a governador do Maranhão.

Dentro dos debates travados nos bastidores, Brandão continua pensando que para ele o melhor é buscar outra legenda e contar com o reconhecimento de Flávio Dino, por todo esforço e gestos feitos pelo PSDB enquanto comandou o partido.

Estado Maior

Cenário definido

por Jorge Aragão

Os candidatos de oposição ao governo Flávio Dino colecionaram, em uma semana, fatos tão positivos quanto negativos foram as ações em torno do próprio comunista. E neste período, consolidou-se claramente o cenário das eleições de 2018 no Maranhão, com uma clara tendência de segundo turno.

O primeiro fato a consolidar a oposição maranhense foi o anúncio da ex-governador Roseana Sarney, na sexta-feira, passada, de que vai mesmo disputar o governo contra Dino. A decisão de Roseana repercutiu fortemente nos meios políticos, gerando reações, inclusive, do próprio Dino.

Uma das reações veio da ex-prefeita Maura Jorge (PODE), que reafirmou sua condição de candidata e descartou compor como vice. A decisão de Maura Jorge gerou o segundo fato para a oposição.

Na segunda-feira, o senador Roberto Rocha (PSDB) foi chamado a Brasília pelo presidente nacional do partido, Tasso Jereissati, para ser comunicado de que vai mesmo comandar o PSDB maranhense, em substituição ao vice-governador Carlos Brandão.

Na quarta-feira foi a vez do ex-deputado Ricardo Murad também ser alçado à presidência do seu PRP, o que lhe garante as condições de ser candidato.

Assim, a oposição maranhense termina a semana com quatro candidatos consolidados e com peso suficiente para influenciar nas eleições de 2018. E outros nomes ainda podem surgir até julho do ano eleitoral.

Em campanha – Como o do deputado estadual Eduardo Braide (PMN), que negou à coluna que tenha descartado a disputa pelo Governo do Estado em 2018.

Ele disse que não poderá abrir mão de um projeto se o povo mostrar interesse em seu nome – como vem mostrando – nas pesquisas de intenção de votos.

Para reafirmar-se como pré-candidato, Braide vai voltar à TV na semana que vem, como protagonista do programa partidário do PMN.

Estado Maior

Com ele ou rua…

por Jorge Aragão

O senador Tasso Jereissati, que preside o PSDB nacional, disse ao vice-governador Carlos Brandão que ele será muito bem tratado se permanecer na legenda. Mas deixou claro que o projeto tucano no Maranhão agora passa pelo senador Roberto Rocha.

Ontem, Jereissati encaminhou ao Tribunal Regional Eleitoral a Resolução que destituiu o vice-governador do comando do PSDB maranhense.

Para continuar no PSDB, Brandão terá que se afastar do governador Flávio Dino e, principalmente, do PCdoB. Foi deixado claro a ele por Tasso Jereissati que os comunistas têm visão de mundo e de política oposta ao que pensam os tucanos.

Assim como Brandão, os que pensam como ele terão a porta da rua como serventia da casa.

Estado Maior