Senado: Eliziane Gama aumenta pressão sobre Flávio Dino

por Jorge Aragão

O governador Flávio Dino segue cada dia mais pressionado sobre a questão da sua chapa para 2018, principalmente na definição dos dois senadores.

Dino tem que escolher apenas dois nomes, mas já possui pelo menos cinco nomes para a disputa, quatro deputados federais – Zé Reinaldo (PSB), Eliziane Gama (PPS), Weverton Rocha (PDT) e Waldir Maranhão (Avante) – e mais o PT, que já deixou claro que quer espaço na majoritária.

Depois da pressão do fim de semana passado, vindo de aliados de Flávio Dino para Zé Reinaldo, agora foi a vez da deputada Eliziane Gama também pressionar e deixar claro que será sim candidato ao Senado.

“Nossa candidatura ao Senado é conduzida pelo partido. É uma candidatura que atende ao estado, atende aos movimentos de base que nos apoiam”, disse.

Questionada se manterá a candidatura, mesmo que haja apoio do Palácio dos Leões a outras figuras do grupo político ao qual está inserida, Gama reafirmou o seu posicionamento.

“Essa não é uma decisão individual, mas partidária”, pontuou.

Ou seja, a medida em que se aproxima de uma definição, a temperatura segue aumentando e Dino cada vez mais pressionado.

Zé Reinaldo – No último fim de semana, quem recebeu bastante apoio foi o ex-governador e deputado federal Zé Reinaldo. Além do presidente da FAMEM, Cleomar Tema, o deputado federal Rubens Júnior não só publicizou seu apoio, como lembrou que por algumas vezes Zé Reinaldo se sacrificou em prol do seu grupo político.

“Em três oportunidades [2006, 2010 e 2014], em prol da unidade política de nosso grupo, Zé Reinaldo abdicou do projeto de chegar ao Senado. Poucos são os políticos no Brasil que possuem a sua trajetória e, ao mesmo tempo, sua humildade. Em 2018, será o ano do Zé Reinaldo. Será o ano no qual o povo maranhense o elegerá senador. Tenho certeza e total confiança que ele mostrará, de fato, para que serve um senador”, afirmou Rubens Júnior.

É aguardar e conferir.

Na igreja

por Jorge Aragão

Flávio Dino participou no Templo Central da Assembleia de Deus. Foto: Gilson Teixeira/Secap

A presença do governador Flávio Dino (PCdoB) no culto semanal em ação de graças da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, na última segunda-feira, mais do que um gesto em direção a um dos setores do eleitorado mais fieis aos seus líderes, foi também um gesto político para dentro do seu grupo.

Ao seu lado, além de auxiliares do governo ligados à igreja, estava a deputada federal Eliziane Gama (PPS), que havia, dia antes, sido apresentada como pré-candidata oficial ao Senado dentro da denominação. Por mais que o Palácio dos Leões tente evitar a conotação político-eleitoral do gesto do governador, o evento foi entendido como um ato de reaproximação entre ele e a parlamentar evangélica.

Flávio Dino e Eliziane Gama vive uma espécie de relação de amor e ódio. Ela sempre esperou dele mais do que ele deu. E ele sempre quis dela mais submissão do que ela pode dar. O clima entre os dois havia piorado desde a eleição municipal, quando a tropa-de-choque comunista atropelou a deputada em favor do prefeito Edivaldo Júnior (PDT).

O problema da relação entre os dois agora é a eleição para o Senado. O governador tem entre seus principais candidatos o deputado federal Weverton Rocha (PDT) – que não é o que se pode chamar de aliado esperado – e o também federal José Reinaldo Tavares (PSB), que precisa mais do que uma alavanca governista para se viabilizar. A presença do governador na Assembleia de Deus, dias depois de a denominação apresentar Eliziane como opção é uma espécie de recado: o governador quer dividir o peso da cruz que precisa carregar em 2018.

Da coluna Estado Maior, de O Estado do Maranhão

“Esquecimento” de Eliziane ainda é reflexo das eleições de 2016

por Jorge Aragão

Os números da pesquisa ESCUTEC apontaram algumas surpresas, como o caso do secretário de Educação do Maranhão, Felipe Camarão, mas também mostraram que alguns ficaram “esquecidos”, como é o caso da deputada federal Eliziane Gama (PPS).

Ao contrário de Felipe Camarão, que nem filiado a partido político é e muito menos algum dia cogitou disputar uma eleição, Eliziane Gama já sinalizou com a possibilidade real de disputar o Senado Federal.

Só que enquanto Camarão aparece na pesquisa espontânea para o Governo do Maranhão, Gama não foi citada na pesquisa espontânea para o Senado.

Esses números demonstram claramente duas coisas, a primeira é que esse “esquecimento” ainda é reflexo das eleições de 2016 e que a ideia de disputar a eleição para o Senado Federal poderá ser o último grande erro de Eliziane na política, conforme o Blog já destacou anteriormente (reveja).

Eliziane chegou para a disputa de 2016 em São Luís como a favorita, ou pelo menos como a adversária a ser batida pelo prefeito Edivaldo Júnior, que buscava a reeleição, mas seus erros, alguns primários, lhe levaram a terminar a eleição extremamente desgastada, com um desempenho pífio e apenas na quarta colocação, atrás dos deputados estaduais Eduardo Braide e Wellington do Curso.

É claro que a decisão final de qual caminho irá tomar em 2018 caberá exclusivamente a Eliziane Gama, mas os números da pesquisa ESCUTEC deixam claro o que ela deve fazer. Entretanto, uma coisa é incontestável, Eliziane Gama não tem mais o direito de errar, pois pode definitivamente ficar pelo “meio do caminho”.

É aguardar e conferir.

Eliziane parece já ter desistido de candidatura ao Senado

por Jorge Aragão

A Coluna Estado Maior desta sexta-feira (07), já destaca algo previsível, o fracasso da tentativa de candidatura da deputada federal Eliziane Gama (PPS) ao Senado Federal.

De acordo com a coluna, Eliziane já se deu conta de que a candidatura seria um fiasco. “A impossibilidade da candidatura de Eliziane Gama ao Senado se dá por motivos óbvios, que ela não percebeu num primeiro momento. A deputada só teria condições de se viabilizar se disputasse por uma chapa de oposição, já que a base do governador Flávio Dino (PCdoB) nem cogita apoiá-la. Mas ela não aceita fazer oposição a Flávio Dino, apesar do ‘tratamento especial’ que recebe do governador desde o início do mandato”, destaca o Estado Maior.

Ainda em janeiro deste ano, quando foi aventada tal possibilidade, o Blog na postagem “Mais uma ‘barca furada’ para Eliziane Gama”, já deixava claro que seria um erro, dessa vez fatal, para a política do PPS.

Eliziane Gama tem se especializado em tomar decisões erradas na política e por esse motivo inviabilizado seus projetos e sua carreira política, que parecia ser algo promissora.

Entretanto, se realmente desistir da candidatura ao Senado será uma decisão lógica, racional e que pode lhe dar uma sobrevida na política maranhense. Eliziane saiu da última eleição menor do que entrou, afinal chegou como favorita e terminou apenas na quarta colocação com somente 6,19% dos votos válidos.

O Blog vai ainda mais além, se Eliziane realmente ainda almeja ser prefeita de São Luís, ela precisa recomeçar e o recomeço passaria, inegavelmente, por um retorno a Assembleia Legislativa. A ida de Gama para a Câmara Federal diminuiu sua visibilidade, a postura adotada no parlamento federal foi crucial para sua derrocada nas eleições 2016 e a submissão a um grupo político, que lhe demonstra ojeriza o tempo inteiro, é outro fator que continua sendo impeditivo ao seu crescimento político.

A decisão cabe apenas a Eliziane Gama, mas o fato de já ter colocado de lado a tola ideia de disputar o Senado Federal, parece que já é um bom caminho para quem precisa recomeçar.

Mais uma “barca furada” para Eliziane Gama

por Jorge Aragão

elizianeAo que parece a deputada federal Eliziane Gama (PPS) parece ainda não ter aprendido com os inúmeros erros cometidos nas últimas eleições. Em entrevista ao Blog do jornalista Marco D’Eça, Eliziane Gama diz estar disposta a encarar o desafio de disputar o Senado Federal.

“É desejo da direção nacional do PPS que o partido lance candidatos às chapas majoritárias; no Maranhão, a disputa pelo governo se desenha de uma forma que abre espaço para candidaturas ao Senado. E estou disposta a encarar este desafio”, disse Eliziane.

Eliziane acaba de deixar uma eleição onde saiu menor do que entrou, afinal chegou como favorita e terminou apenas na quarta colocação com somente 6,19% dos votos válidos, e ao invés de procurar uma eleição mais tranquila, pode arriscar ficar sem mandato.

O caminho mais correto para Eliziane, principalmente se ainda almeja ser prefeita de São Luís, seria disputar a eleição para deputada estadual e retornar para a Assembleia Legislativa. A ida de Gama para a Câmara Federal diminuiu sua visibilidade e a postura adotada no parlamento foi crucial para sua derrocada nas eleições 2016.

Uma candidatura de Eliziane ao Senado Federal tende ser fadada ao fracasso e definitivamente se perder no cenário político maranhense, pois caso fiquei sem mandato poderá ser o fim da sua carreira política, outrora promissora, mas hoje uma verdadeira incógnita.

Avisar o blog sempre avisa, pena que Eliziane parece nunca escutar.m

A decisão acertada e equilibrada de Eliziane Gama

por Jorge Aragão

elizianegamanovaA deputada federal Eliziane Gama (PPS) terminou as eleições municipais de 2012, view mesmo sem ter conseguido chegar ao 2º Turno da disputa pela Prefeitura de São Luís, buy como uma das favoritas para as eleições de 2016.

E assim o foi, pois até o fim de 2015 Eliziane Gama aparecia liderando todas as pesquisas eleitorais, mas alguns erros graves e primários durante o ano de 2016, fizeram sua candidatura despencar e o resultado foi desastroso. Eliziane terminou a eleição na quarta colocação.

No 2º Turno das eleições 2016, Eliziane foi pressionada a declarar seu voto em um dos dois candidatos que seguem na disputa, mas dessa vez Eliziane manteve o equilíbrio e preferiu ficar neutra na disputa eleitoral.

Eliziane não poderia apoiar a candidatura de Edivaldo Júnior (PDT), pois seria incoerente com seu discurso de oposicionista a sua gestão. Um apoio a Edivaldo seria um erro tão grave quanto foi o erro de se aliar ao ex-prefeito e deputado federal João Castelo (PSDB), de quem foi opositora ferrenha a sua gestão na capital maranhense.

Eliziane poderia ter seguido o caminho de apoio ao candidato Eduardo Braide (PMN), mas a postura de “cavaleiro solitário” adotado por Braide, pelo menos publicamente, acabou atrapalhando essa aproximação.

Além disso, Eliziane parece ter aprendido a lição da importância de ter um grupo político numa campanha eleitoral. Pensando em colher frutos lá na frente, Eliziane retribuiu ao líder do seu grupo, o governador Flávio Dino (PCdoB), a mesma neutralidade que ele teve no 1º Turno em respeito à sua candidatura.

Indiscutivelmente uma decisão acertada e equilibrada, bem diferentes dos posicionamentos equivocados tomados nos últimos meses.

A estranha indefinição de Wellington, Eliziane e Fábio Câmara no 2º Turno

por Jorge Aragão

tres

É de se estranhar que a maioria dos candidatos a prefeito de São Luís nas eleições 2016, viagra sale que ficaram fora do 2º Turno, story ainda não tenham se posicionado sobre o novo pleito eleitoral na capital maranhense.

Depois de cinco dias da eleição do 1º Turno, online apenas o PSTU, que optou pela neutralidade, e Rose Sales, declarou apoio a Eduardo Braide, se posicionaram sobre o 2º Turno das eleições em São Luís.

Ninguém entendeu ainda a demora para se posicionar dos ex-candidatos Wellington do Curso (PP), Eliziane Gama (PPS) e Fábio Câmara (PMDB). Os três ainda não definiram que rumo devem seguir neste 2º Turno.

Eliziane Gama e Fábio Câmara já viveram um momento parecido como esse, foi na eleição de 2012. Naquela oportunidade, Eliziane foi a terceira colocada e após muitas idas e vindas, optou pela neutralidade, na disputa entre Edivaldo e João Castelo. Já Fábio Câmara, vereador eleito pelo PMDB à época, optou em declarar apoio a candidatura de João Castelo.

Com a demora em se posicionar, os eleitores de Wellington, Eliziane e Fábio Câmara vão se decidindo sem a suposta influência dos seus respectivos candidatos no 1º Turno. Ou seja, quanto mais demorarem a se posicionar, menor será sua influência na disputa eleitoral do 2º Turno.

Eliziane Gama deve oficializar apoio a Eduardo Braide

por Jorge Aragão

Casteloeeliziane

A deputada federal Eliziane Gama (PPS), look a candidata mais rejeitada entre os candidatos à Prefeitura de São Luís, doctor segundo as pesquisas eleitorais, deve oficializar apoio ao candidato Eduardo Braide (PMN) no 2º Turno das eleições 2016.

A informação é da coluna Estado Maior do jornal O Estado do Maranhão, desta terça-feira (04). Entretanto, oficialmente Eliziane Gama ainda não confirmou que posicionamento irá seguir nessa próxima etapa das eleições na capital maranhense.

Vale lembrar que no 2º Turno das eleições de 2012 em São Luís, Eliziane Gama optou pela neutralidade e não declarou apoio nem ao então prefeito João Castelo e nem a Edivaldo Júnior (PDT).

Resta saber se Eliziane dessa vez descerá de cima do muro e terá um posicionamento, ou se novamente optará pela neutralidade. Além disso, é importante saber se Eliziane tomará um posicionamento isolado ou seguirá a opção do líder do seu grupo político, o governador Flávio Dino. Outro questionamento pertinente é saber se junto com o apoio de Eliziane Gama, irá junto o apoio do ex-prefeito João Castelo, que acabou lhe prejudicando muito no pleito eleitoral deste ano.

É aguardar e conferir.

O “jogo” dos números nas eleições de São Luís

por Jorge Aragão

somaA candidata à Prefeitura de São Luís pelo PPS, find Eliziane Gama, treat através de sua coordenação de campanha teve uma sacada interessante sobre os números dos seus adversários políticos que estão à sua frente.

Foi feito um gift onde dizia que Eliziane valia por dois candidatos. Eliziane tem o número 23, try justamente a soma dos números dos dois adversários que estão à frente, Edivaldo que é 12 e Wellington que é 11. Ou seja, 12 + 11 = 23.

Entretanto, a sacada de Eliziane recebeu um contragolpe da candidatura de Eduardo Braide (PMN). Um eleitor de Braide, de maneira astuta, também utilizou os números para afirmar que seu candidato é a melhor opção.

O eleitor afirmou, em comentário na postagem de Eliziane, que é necessário ter um prefeito que valha por 2, mas ele precisa ser 10. Ou seja, a soma passaria a ser: 12 + 11 + 10 = 33, o resultado será exatamente o número de Eduardo Braide.

numeros

Valeu a perspicácia e fatalmente virá um novo gift com os números, mas agora favorável a Eduardo Braide.

Queda de Eliziane: Castelo ou Impeachment, ou as duas coisas ?

por Jorge Aragão

ElizianeadesivoMuitos ainda tentam entender a queda drástica da candidata do PPS à Prefeitura de São Luís, buy cialis Eliziane Gama. A candidata chegou a liderar com folga a disputa eleitoral, here mas agora aparece em queda livre e já está na terceira colocação.

Além dos inúmeros erros de Eliziane, find como trocas desenfreadas de partidos, e a visível desarticulação na sua campanha, dois fatores podem ter pesado muito na queda de Eliziane.

Um dos fatores, a aliança esdruxula com Castelo, o Blog já até abordou. Eliziane depois de ter crescido politicamente fazendo Oposição a péssima gestão de Castelo na capital maranhense, resolveu, pelo seu projeto de poder, se aliar a quem tanto condenou.

A aliança fez um estrago tremendo, afinal demonstrou a incoerência de Eliziane e que a candidata estava disposta a tudo para chegar ao poder. Além disso, para complicar ainda mais a situação, foi João Castelo que indicou o candidato a vice-prefeito de Eliziane, José Joaquim. A indicação demonstrou claramente que Castelo teria força numa eventual gestão de Elziiane, o que deixou os ludovicenses amedrontados com a possibilidade do retorno da “turma do Caostelo” a Prefeitura de São Luís.

impeachment-3Entretanto, o fator aliança com Castelo parece não ter sido o único que afetou a candidatura de Eliziane. A deputada federal foi incisiva na questão do Impeachment da ex-presidenta Dilma Rousseff (PT).

O problema é que São Luís sempre foi a capital que proporcionou a maior votação dos petistas Lula e Dilma nas eleições presidenciais. Por conta disso, os deputados que votaram a favor do Impeachment, entre eles Eliziane, são chamados de “golpistas” pelos apoiadores de Lula e Dilma em São Luís.

Sendo assim, o fator aliança com Castelo e a votação do Impeachment podem ter sido essenciais para a queda drástica da candidatura de Eliziane Gama à Prefeitura de São Luís.