A enorme “transparência” do Governo Flávio Dino

por Jorge Aragão

Definitivamente se tem algo que o Governo Flávio Dino não possui é transparência. Nesta semana, tivemos mais um claro exemplo disso e da maneira como vai funcionando a Saúde na gestão comunista.

A deputada estadual Andrea Murad informou a Secretaria de Saúde do Maranhão que iria fazer visitas nas UPAs e hospitais estaduais durante a semana. Só que após o comunicado, para demonstrar a enorme “transparência” da gestão Flávio Dino, foi disparado um alerta geral para os coordenadores, no sentido de não permitirem que a parlamentar visite os leitos e que os funcionários saiam da rotina para atende-la.

Nas redes sociais, a parlamentar publicou um print do diálogo entre os coordenadores e detentores de cargos de chefia, onde ficava claro qual a determinação da chefia (veja acima). Andrea Murad também fez um desabafo sobre o assunto e assegurou que nada a impedirá de cumprir o seu papel com deputada estadual.

E assim segue o Governo Flávio Dino, mais “transparente” impossível.

A vergonhosa situação da Saúde no Governo Flávio Dino

por Jorge Aragão

Este Blog já disse, e por diversas vezes, que se tem uma área que piorou assustadoramente na gestão comunista, foi o setor da Saúde, onde até prisões, pela Polícia Federal, de servidores já foram realizadas.

Outro grande exemplo é o descaso com os servidores do setor. O tratamento dado é o pior possível, que digam os funcionários da BIOSAÚDE, mas ainda bem que a Justiça do Maranhão agiu e evitou um prejuízo ainda maior.

Nesta semana, de maneira acertada, a Justiça do Maranhão bloqueou R$ 39 milhões do instituto BIOSAÚDE para pagamento de trabalhadores que prestam serviços nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) em todo o Estado.

A decisão foi do juiz Douglas de Melo Martins, titular da Vara de Interesses Difusos e Coletivos de São Luís, numa ação protocolada pela Empresa Maranhense de Serviços Hospitalares.

AEntretanto, o Governo Flávio Dino deixou o problema chegar nesse ponto, pois não foi por falta de aviso. A deputada Andrea Murad sempre denunciou o caos na gestão de funcionários que trabalham nos hospitais de competência do Estado.

Em maio de 2017 mais especificamente, tratou da Biosaúde e da EMSERH, e que no decorrer do ano vêm dando constantes calotes nos trabalhadores com salários reduzidos, atrasados e praticando várias outras ilegalidades trabalhistas como o não recolhimento do FGTS e INSS.

“Ano passado nós denunciamos o calote de R$ 100 Milhões que Flávio Dino deu nos profissionais da saúde que antes faziam parte da CORPORE e ICN, que foram demitidos e que deveriam ser contratados pela EMSERH, Empresa Maranhese de Serviços Hospitalares. Na época, por 18 meses sem nenhum vínculo empregatício, esses funcionários ficaram sem receber seus direitos trabalhistas, sendo contratados depois pela quarteirizada Biosaúde, instituto que ficou responsável pelos profissionais da saúde no lugar da EMSERH, dando calote em mais de 7 mil empregados”, explicou Andrea através das redes sociais.

Agora, com a decisão da Vara de Direitos Difusos, a justiça confirma o que a líder da oposição vem denunciando por meses. O bloqueio servirá para garantir o pagamento de salários e direitos trabalhistas de milhares desses funcionários.

“Estamos denunciando há 8 meses, quase que ininterruptamente, cobrando do governador Flávio Dino atitudes enérgicas para resolver a desordem que está nas unidades com os pagamentos indevidos e salários atrasados. E mais, situação que poderia ter sido evitada se a EMSERH tomasse à frente e fizesse sua tarefa para a qual foi criada, portanto não poderia quarteirizar os serviços para a Biosaúde”, destacou a parlamentar.

Andrea denuncia o não pagamento do 13º salário a servidores da Saúde

por Jorge Aragão

Centenas de profissionais da saúde pública, que atuam em UPA’s e hospitais estaduais do Maranhão, não receberam a segunda parcela do 13º salário. O assunto foi denunciado pela deputada Andrea Murad nas redes sociais.

Sobre a terceirizada Biosaúde, o Sindicato dos Enfermeiros do Estado do Maranhão informou através dos canais oficiais que conversou com a empresa e disse que “o atraso se deu em virtude do não repasse pelo Estado”.

“Governo Flávio Dino descumpre a lei e deixa funcionários da saúde sem a segunda parcela do 13º salário. Por lei, o valor deveria ser pago até hoje. Como previsto, os profissionais da saúde que trabalham, por exemplo, na UPA da VILA LUIZÃO não receberam 1 centavo sequer. O mesmo está acontecendo com funcionários de outras unidades que tenho conversado. Um total desrespeito com os trabalhadores que estão prestes a passarem as festas de fim de ano sem um dos direitos básicos trabalhistas”, escreveu Andrea Murad.

Outra reclamação dos funcionários terceirizados da saúde, repercutido pela deputada Andrea, é referente ao FGTS.

“E as ilegalidades não param por aqui, funcionários estão descobrindo que apesar do FGTS ser descontado do salário, a empresa não está efetuando o depósito do benefício, causando assim mais uma grave infração. Como esperado, a quarteirização na saúde pública do Maranhão está provocando uma piora na gestão da rede pelo desvirtuamento dos objetivos da EMSERH, empresa pública criada pelo ex-secretário Ricardo para dar qualidade no atendimento, economia de escala e garantia para os profissionais da saúde. Contra essa ilegalidade, estarei pedindo providências imediatas ao Ministério Público para que os direitos dos trabalhadores sejam cumpridos”, finalizou a parlamentar.

A covardia e a cara de pau do governador Flávio Dino

por Jorge Aragão


Definitivamente se tem algo que esse governo é campeão, e disparado, é de sempre responsabilizar os outros pelos seus erros.

Neste domingo (10), diante da incompetência de concluir o trabalho da Adutora do Italuis com êxito, depois de deixar 159 bairros sem água durante cinco dias, Flávio Dino, de maneira covarde e na maior cara de pau, chamou a polícia para apurar o grande vazamento que foi ocasionado quando o sistema foi religado.

Flávio Dino, ao invés de assumir a incompetência em não conseguir concluir uma obra que recebeu praticamente pronta, mais uma vez utiliza a estratégia de responsabilizar os outros. O governador cogitou até a possibilidade de que alguém possa ter propositadamente provocado o vazamento.

A atitude do governador Flávio Dino foi duramente criticada pela deputada estadual Andrea Murad. A parlamentar disse que a atitude do comunista “demonstra a falta de caráter e espírito de liderança do governador”. Veja abaixo o duro posicionamento de Andrea Murad diante da covardia e cara de pau de Flávio Dino.

Andrea, em propaganda do PMDB, faz duras criticas a gestão Flávio Dino

por Jorge Aragão

Na inserção veiculada pelo PMDB para todo o Maranhão, a deputada Andrea Murad, líder do Bloco de Oposição, citou os principais escândalos do governo comunista que ganharam manchetes em todo o Brasil e disse que continua vigilante denunciando as injustiças.

“Como líder da oposição, continuo vigilante denunciando as injustiças. Temos um governo na contramão das necessidades do povo. E essa incompetência tem rosto, o de Flávio Dino. Aumento de impostos, aluguéis camaradas, funcionários fantasmas, corrupção, são marcas de um governo onde a prometida mudança serve apenas a eles”, diz Andrea em trecho da propaganda partidária.

A parlamentar encerrou a inserção falando do castigo e da exploração que os maranhenses estão sofrendo nas mãos do governo Flávio Dino.

“Os maranhenses nunca imaginaram que castigar e explorar seriam a solução. O Maranhão quer um novo rumo, um novo governo!”, disse Andrea.

Andrea questiona contratação de “estrangeiro” no Governo Dino

por Jorge Aragão

Utilizando as redes sociais, a deputada estadual Andrea Murad, criticou a nomeação de um comunista do Paraná, pelo governador Flávio Dino, para comandar o IPREV – Instituto de Previdência dos Servidores do Estado do Maranhão.

O comunista contratado foi Joel Benin. O camarada paranaense teria sido indicado pelo ex-ministro do Esporte, Aldo Rebelo, de quem Benin foi assessor.

Andrea questionou se no Maranhão não existia ninguém capacitado para assumir a função, ao ponto de que Flávio Dino tivesse a necessidade de contratar mais um “estrangeiro” para a sua gestão.

É claro que essa é uma decisão exclusiva do governador comunista, mas seria bom ele prestar mais atenção as críticas feitas pela deputada Andrea Murad, principalmente no que se diz respeito a contratação na sua gestão, afinal basta lembrar o episódio do contratado Luiz Júnior, um dos presos na Operação Pegadores (reveja). Veja abaixo a crítica da parlamentar.

Basta de corrupção e descaso

por Jorge Aragão

Por Andrea Murad

A covardia, o desespero e a mentira são próprios dos fracos, dos que temem a Lei e o implacável julgamento do Povo. Manda a vida e os valores da responsabilidade, que cada um responda pelos atos que pratica. O que ocorreu, desde 2015, em termos de gestão na Secretaria de Estado da Saúde configura crimes graves e mostra de forma clara o estado lamentável e vergonhoso como o dinheiro público é gerido. A corrupção, a incompetência e o descaso têm dois rostos, o do governador Flávio Dino e o do seu alter ego Márcio Jerry, responsáveis por tudo o que ali acontece e para quem o povo do Maranhão exige um castigo exemplar.

Diz a sabedoria popular que “a mentira tem a perna curta”. Não é acusando o governo da ex-governadora Roseana Sarney, não é mentindo a respeito da gestão do ex-deputado Ricardo Murad à frente da SES, que as roubalheiras fruto desse esquema montado pelo governador e por seu braço-direito vão ser jogadas para debaixo do tapete e esquecidas. Não se brinca com a saúde do povo, com a segurança das pessoas, bem como com a educação das crianças e dos jovens.

Na gestão anterior, concorde-se ou não com a política de gestão rigorosa que a SES foi alvo, a equipe que começou o mandato terminou, e nenhum dos que fizeram parte dessa equipe responde ações judiciais decorrentes de operações da Polícia Federal, como sucede com este governo. E mais: o descaramento é de tal ordem que os responsáveis da SES como, por exemplo, a Rosângela, o Luiz Júnior, que alertei para não deixá-lo na Secretaria de Saúde, o Marcos Pacheco, o Mariano, foram afastados na iminência das investigações, mas rapidamente “arrumados” e escondidos em outras áreas do governo, nomeadamente em cargos influentes no gabinete do governador e junto de Márcio Jerry.

Se foram demitidos por ilícitos, por que permanecem ainda na administração? Será por que apenas cumpriam ordens? Por que a secretaria comandada por Rodrigo Lago, até hoje, mesmo após as operações policiais, nunca abriu investigação contra nenhum deles? É medo do quê e de quem? Será que essa gente tem o governador e o seu fiel escudeiro Jerry “na mão”, que estariam dispostos a contar as malfeitorias que protagonizaram e por que as fizeram?

O governador e seu séquito bem podem tentar alijar responsabilidades e inventar fatos e datas, que a própria superintendente da Polícia Federal e o delegado, encarregados dessa operação, foram bem claros e enfáticos ao afirmar que essa investigação se relaciona exclusivamente ao período deste governo, com fatos iniciados em 2015, que permaneceram até agora e com conhecimento do próprio secretário Carlos Lula.

Basta de mentiras, de falsidades e de invenções. A investigação levada a cabo pela Polícia Federal visa a atual gestão do governo de Flávio Dino. É a ele que os maranhenses e a justiça têm de exigir contas, é a ele que, mais cedo ou mais tarde, os eleitores apontarão a porta de saída. E são eles, Flávio Dino e Márcio Jerry, que ficarão na história do Maranhão como protagonistas de uma página negra do nosso estado, marcada pela corrupção, roubo, descaso e irresponsabilidade. Basta!

Andrea Murad bem que avisou, mas Flávio Dino insistiu em não ouvir

por Jorge Aragão

Um dos presos na Operação Pegadores da Polícia Federal, deflagrada nesta quinta-feira (16), e que atingiu em cheio o Governo Flávio Dino, é Luiz Marques Barbosa Júnior.

O nome pode parecer estranho para alguns, mas quem acompanha os discursos da deputada estadual Andrea Murad, fatalmente lembrará que, por diversas vezes, a parlamentar não só alertou o Governo Flávio Dino para a nomeação dele, como fez o que podia para essa nomeação não acontecer.

Desde o início de 2015, Andrea Murad alertou o Governo Flávio Dino. A parlamentar afirmava que Luiz Júnior, além da péssima fama como gestor, era Ficha Suja e não poderia assumir nenhum cargo público no Governo do Maranhão.

Andrea Murad afirmou, em 25 de março de 2015, que Luiz Junior havia sido condenado pelo Tribunal de Contas do Estado do Maranhão a devolver mais de R$ 7 milhões e ainda a pagar multa de R$ 700 mil por causa das irregularidades constatadas em sua gestão na Secretaria de Saúde municipal de Coroatá.

O próprio Blog do Jorge Aragão, nessa postagem, fez uma afirmação também alertando a gestão comunista. Veja abaixo.

“Ou seja, o governador Flávio Dino irá manter um gestor para comandar a rede de Saúde do Maranhão, mesmo sabendo que ele foi condenado pelo TCE a devolver R$ 7 milhões aos cofres públicos por irregularidades justamente na área da Saúde. Curioso não?”, questionava o Blog do Jorge Aragão, clique aqui e reveja a matéria na íntegra.

A deputada Andrea Murad não ficou apenas nas palavras, a parlamentar ainda protocolou, no início de abril, uma representação na Procuradoria Geral de Justiça contra o governador Flávio Dino. A deputada pediu que à PGJ apurasse a conduta qualificada como improbidade administrativa praticada por Flávio Dino, referindo-se à nomeação de Luiz Júnior.

Segundo a Polícia Federal, Luiz Júnior era o “braço direito” da ex-secretaria adjunta da Secretaria de Saúde, Rosângela Curado, também presa na Operação Pegadores.

Mesmo com o currículo invejável e o alerta de Andrea Murad, Luiz Junior ainda foi no Governo Flávio Dino, o Chefe da Superintendência de Acompanhamento a Rede de Serviço, divisão da Secretaria de Saúde do Maranhão, responsável pelas tratativas com as entidades do Terceiro Setor e responsável pela gestão das Unidades Hospitalares.

O resultado não podia ser outro, mas bem que Andrea Murad avisou, só que Flávio Dino insistiu em não ouvir.

Após denúncia de deputada, Governo promete pagar vigilantes atrasados

por Jorge Aragão

Depois da denúncia da deputada Andrea Murad no sábado (11), o governo do estado correu para contatar os vigilantes que trabalham no Hospital Carlos Macieira na tentativa de resolver o atraso de 3 meses de salário, motivo que fez boa parte deles parar as atividades.

Para garantir a guarda no hospital, a SES também teve que recrutar vigilantes de outras unidades para cobrirem o HCM, segundo informações que chegaram até a deputada. A medida veio com a promessa da secretaria resolver o problema nesta segunda-feira e garantir o retorno dos vigilantes. Poucos voltaram de fato, sábado apenas 6 compareceram para cumprir o expediente e no domingo, três fizeram a vigilância de todo o Hospital Carlos Macieira.

Enquanto isso, o HCM segue desfalcado na área da vigilância. Após essa denúncia, a parlamentar vem recebendo relatos de vários outros atrasos nos salários de funcionários da área da saúde.