O sofrimento de quem precisa fazer hemodiálise no Maranhão

por Jorge Aragão

A TV Mirante, através do repórter Alex Barbosa, fez uma matéria onde demonstrou o sofrimento de pacientes maranhenses que precisam ter acesso ao tratamento de hemodiálise aqui no Maranhão.

A reportagem mostra que pacientes que sofrem de doenças renais no interior do Maranhão precisam percorrer milhares de quilômetros durante vários dias da semana para ter acesso ao tratamento de hemodiálise em São Luís. Isso porque atrasos em obras de centros de tratamento em alguns municípios maranhenses impossibilitam que esses pacientes tenham acesso ao procedimento.

A matéria demonstrou o sacrifício que alguns desses pacientes precisam ser submetidos para conseguirem a ter acesso ao tratamento. O médico nefrologista, Alex do Vale Costa, chegou a dizer que os pacientes renais que passam por essa situação podem evoluir mais rápido ao óbito.

“Se nós temos uma alteração na filtração de sangue, pelo tempo que esses pacientes às vezes têm que fazer essa viagem, nós temos um paciente que pode evoluir mais rápido ao óbito. Então se diminui a expectativa de vida de um paciente desse”, explicou.

Clique aqui para ver a reportagem que deve inclusive ser veiculada pela TV Globo.

Pedro Lucas tinha razão

por Jorge Aragão

pedrolucasfevNo mês passado o Blog fez a seguinte postagem: “A preocupação pertinente de Pedro Lucas sobre a Lei do Farol”, hospital onde na oportunidade o vereador de São Luís demonstrava a sua inquietação com a dúvida que perneava na cabeça da maioria dos ludovicenses sobre a Lei do Farol.

Pedro Lucas solicitava que o Governo Flávio Dino deixasse claro aos motoristas de São Luís onde essa legislação tivesse validade. O vereador já tinha alertado para as incoerências da Lei 13.290/16, buy que obriga o uso do farol aceso durante o dia nas estradas.

“Essa chega a ser uma obrigatoriedade sem qualquer fundamento ou lógica, pills visto que temos MA’s que interligam avenidas e não São Luís a outra cidade. Imagine sair da Avenida Carlos Cunha, entrar na Via Expressa e se não estiver de farol aceso, o cidadão ser multado? Temos que ser práticos. A Via Expressa integra o percurso de milhares de pessoas que por ali passam todos os dias e, portanto, compõe a malha viária de dentro de São Luís. E é por esse motivo que assim que retornar do nosso recesso, na indicação que farei ao governador, pedirei a redefinição das MA’s que cortam a cidade para que ninguém seja punido desnecessariamente”, afirmou Pedro Lucas.

Na quinta-feira (11), viralizou nas redes sociais uma matéria da TV Mirante, feita pelo jornalista Alex Barbosa, onde até mesmo agentes da SMTT (Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte) desconheciam que na Avenida Jerônimo de Albuquerque, MA-257, seria “obrigado” a utilização de andar com os veículos com os faróis acesos. Veja abaixo.

Agora, se os agentes da SMTT ainda possuem dúvidas, imagina os demais motoristas de São Luís. Cabe ao Governo Flávio Dino a reavaliação das estradas que passam por dentro da cidade e, assim, corrigir uma incoerência jurídica.

Mas bem que o vereador Pedro Lucas alertou…

Trânsito – Para piorar ainda mais a situação, as avenidas Jerônimo de Albuquerque, Guajajaras e Holandeses, três das mais movimentadas vias de São Luís, estão sem fiscalização de trânsito, desde a última segunda-feira (08).

Por conta da informação que essas avenidas são estaduais, os agentes de trânsito da Prefeitura deixaram de atuar nessas vias, cabendo sua fiscalização ao Governo Flávio Dino, que por sua vez segue omisso.

Como o Blog afirmou: MPF “vazou” reportagem especial de Alex Barbosa

por Jorge Aragão

alex-barbosaConforme o Blog antecipou, medicine mas alguns incrédulos não acreditaram, mind o Ministério Público Federal se encarregou de “vazar” a reportagem especial feita pelo repórter Alex Barbosa que acabou gerando polêmica por conta de pura maldade de alguns blogs alinhados ao Governo Flávio Dino.

A reportagem foi exibida no Jornal da Globo da terça-feira (14), demonstrando a fragilidade da fiscalização de drogas junto a fronteiras brasileiras.

O próprio Ministério Público Federal, que foi avisado com antecedência da reportagem, confirmou o vazamento da reportagem. “O Ministério Público Federal informou que não tem atribuição de dar apoio em reportagens e que comunicou com antecedência a intenção dos jornalistas à Polícia Federal”,

O curioso é que mesmo com o vazamento da informação, a equipe de reportagem com o carro com 240 kg de pó de gesso, simulando ser cocaína, ainda passou por três postos da Polícia Rodoviária Federal por três vezes, sem ser importunado.

Além disso, a equipe também passou por um posto de DNIT (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte), onde havia uma viatura da polícia parada, mas também não foi abordada.

Somente depois de 12 horas e mais de 600 km rodados e que a equipe de reportagem foi parada por uma blitz do GEFRON (Grupo Especial da Fronteira) da Polícia Militar.

Para quem não assistiu e duvidou da informação verdadeira repassada pelo Blog, basta clicar aqui e ver a reportagem na íntegra.

Jornalismo com seriedade se faz desta forma. Simples assim.

Restabelecendo a verdade dos fatos

por Jorge Aragão

alex-barbosaÉ preciso que se faça o restabelecimento da verdade sobre a detenção, pilule pela Polícia Rodoviária Federal, pill do jornalista Alex Barbosa da TV Globo, pills que já trabalhou na TV Mirante e atualmente está na TV Centro América.

O episódio da prisão do jornalista e de sua equipe de reportagem chegou truncado ao Maranhão e faltando informações que comprovam a inocência de Alex Barbosa.

A prisão aconteceu na tarde de segunda-feira (12), quando a equipe de reportagem, comandada por Alex Barbosa foi detida por carregar um “pó branco” na mala do veículo.

Alex Barbosa, que havia comunicado a reportagem ao Ministério Público, estava querendo demonstrar a fragilidade da fronteira entre o Brasil e a Bolívia. O carro estava com mais de 200 kg de pó de gesso no bagageiro do veículo quando tentou passar pela fronteira, como se fosse cocaína.

No entanto, a informação sobre a reportagem deve ter sido vazada e a abordagem foi feita. Só que curiosamente, mesmo sendo policiais acostumados a fazer esse tipo de apreensão, ninguém conseguiu identificar que o tal “pó branco” não era cocaína, mas sim pó de gesso.

Por não terem estranhamente conseguido fazer essa identificação, a equipe de reportagem foi conduzida até a Polícia Federal aguardar os testes com a substância. Após a comprovação que não se tratava de cocaína ou qualquer droga ilícita, mas sim pó de gesso, a equipe foi liberada.

Pelo caráter do jornalista Alex Barbosa e pelo excelente trabalho que fez no Maranhão, o Blog do Jorge Aragão se sentiu na obrigação de restabelecer a verdade dos fatos, para que não tentem macular a imagem de uma pessoa de bem desnecessariamente.

Operação Cayenne prende suspeitos por desvios de milhões na Univima

por Jorge Aragão

UNIVIMA A Superintendência Estadual de Investigações Criminais (Seic) realiza, shop nesta quarta-feira (27), pharm uma operação em São Luís para prender suspeitos de envolvimento no desvio de R$ 34 milhões na Universidade Virtual do Maranhão (Univima).

A Operação Cayenne prendeu, prostate até o momento, o administrador Paulo Giovanni Aires Lima, José de Ribamar Santos Soares, Inaldo Damasceno Corrêa e o empresário Valmir Neves Filho. Outras duas pessoas foram presas e estão à caminho da Seic. Além dessas prisões a Polícia apreendeu, também, joia, relógios e carros de luxo.

Clique aqui e veja os detalhes na matéria de Alex Barbosa

A Assessoria de Comunicação da gestão do Governo do Maranhão, no período de 2009 à 2014, emitiu Nota de Esclarecimento sobre o caso e o Blog publica abaixo.

NOTA DE ESCLARECIMENTO

O Ministério Público do Maranhão pediu à Secretaria de Ciência e Tecnologia do Estado informações sobre as empresas que haviam sido citadas pelo COAF – Conselho de Controle de Atividades Financeiras.

Foi a própria Secretaria de Ciência e Tecnologia que solicitou à Controladoria Geral do Estado uma auditoria especial.

O resultado da auditoria apontou que ocorreu uma fraude no sistema, eximindo de qualquer ato de irregularidade os gestores e ordenadores de despesas.

As investigações feitas pelo Ministério Público contaram com os dados, documentos e informações entregues pela Secretaria de Ciência e Tecnologia, que contribuiu com todo o processo de forma transparente.