Dificuldades

por Jorge Aragão

Dentre todos os pré-candidatos que se movimentam com vistas às eleições de 2018 – ao governo e ao Senado -, o senador Roberto Rocha (PSB) vive um dos momentos de maior indefinição. Ele não sabe se disputará mesmo o governo ou se decide negociar apoio com o governador Flávio Dino (PCdoB); não sabe se permanecerá no PSB ou se buscará nova legenda. E não sabe até mesmo se concorre ao governo ou outra vez ao Senado.

Embora se movimente mais do que qualquer outro adversário de Flávio Dino – e até mais que o próprio governador -, o senador não conseguiu construir um grupo em torno de si e segue sozinho em seu projeto de candidatura. E agora com a dificuldade adicional da ameaça de queda do presidente Michel Temer (PMDB).

Mas, mesmo com todas as dificuldades políticas e pessoais, Rocha ainda é o adversário de Dino que mais se movimenta no cenário eleitoral. Mesmo porque, além dele, todos os demais nomes anunciados ainda são projetos de candidatura.

A ex-governadora Roseana Sarney (PMDB) se movimenta apenas nos bastidores, e só entre aliados consolidados. E não declarou em momento algum que será candidata, embora todas as pesquisas a apontem como a principal adversária de Flávio Dino.

Já a ex-prefeita Maura Jorge, apesar de desenvoltura de candidata, ainda carece de uma estrutura partidária consistente para fazer frente ao governador. E o deputado estadual Eduardo Braide (PMN) mostra-se ainda indeciso quanto a encarar uma disputa majoritária.

Assim, Roberto Rocha, segue como único nome a se movimentar no tabuleiro da eleição. Mesmo que apenas consigo mesmo.

Coluna Estado Maior

Compasso de espera

por Jorge Aragão

Três partidos com forte atuação política no Maranhão – PMDB, PSDB e PSB – estão em uma espécie de compasso de espera em relação ao andamento das questões políticas de Brasília. E qualquer que seja seu resultado, a crise federal terá influência direta nas eleições maranhenses de 2018.

O PMDB é o partido do presidente Michel Temer, alvo de pressões por uma renúncia. Se o ato extremo ocorrer, obviamente a legenda ganha nova configuração de cenário para a disputa no estado. Entraria o partido em uma disputa sem o fundamental apoio do governo central?

O PSDB, por sua vez, tem seu principal nome – senador Aécio Neves – envolvido diretamente nas denúncias de corrupção trazidas à tona pela delação dos executivos da JBS. E seu revés acaba por diminuir a importância eleitoral do seu partido. Aos tucanos, resta esperar se um deles possa almejar o poder em uma eventual troca de comando em Brasília.

Das três principais legendas, o PSB foi a única que já tomou posição em relação ao governo Temer. O partido decidiu anunciar-se na oposição. E isso, claro, influencia diretamente no projeto do senador maranhense Roberto Rocha. O socialista tem cargos e acesso a verbas no governo Temer, que também podem cair em caso de queda do atual presidente. E sem espaços em Brasília, torna-se missão difícil competir no Maranhão em 2018.

Coluna Estado Maior

Dois pesos e duas medidas

por Jorge Aragão

O Brasil virou de ponta-cabeça após a divulgação de conteúdo da delação do empresário Joesley Batista, dono da JBS. Na delação, estavam envolvidos o presidente da República, Michel Temer, e o senador do PSDB Aécio Neves. A repercussão foi gigantesca. No Maranhão, muito se falou e entre os que tanto comentaram estão o governador Flávio Dino (PCdoB) e sua trupe.

Mas os comentários de Dino e seus subalternos se restringiram somente a Temer. Pediram diretas já, renúncia do presidente, levantaram teses jurídicas e aliados de Brasília fizeram movimentos – mesmo que fracos – para dizer que são a favor da democracia.

O que chama atenção no episódio é que nem Flávio Dino e nem os seus aliados fizeram a menor das críticas ao senador Aécio Neves, afastado do mandato devido à gravação que deixa claro que ele pediu dinheiro (R$ 2 milhões) ao empresário Joesley para pagar advogados que o defendessem da acusação de recebimento de propina.

Nada de tese jurídica para saber se o tucano poderia ser ou não preso, se ele pode ou não perder o mandato.

Alguns sonhadores, que ainda acreditam em alguma faísca de coerência do governador, até chegaram a comentar se o comunista não defenderia o tucano. Motivo para tal pensamento? A aliança do PCdoB com o PSDB, que teve aval de Aécio Neves, em 2014. A festa para declarar a união entre as legendas teve direito à vinda do senador ao Maranhão com abraços, apertos de mãos, elogios e muitos afagos de Dino ao ego do agora enrolado senador tucano.

Mas como sempre quando têm que se posicionar e o cenário não é favorável, os comunistas fingem que o fato não ocorreu.

Fingiram não ter ocorrido nada com Aécio Neves em relação à delação da JBS, assim como fingiram inexistir a festa tucano-comunista, há cerca de dois anos. Nenhuma palavra. Nem críticas, nem solidariedade.

O jogo de cintura do governador, em nome do seu projeto de poder, parece mais descompassado a cada dia.

Coluna Estado Maior

Todos errados???

por Jorge Aragão

A Secretaria de Infraestrutura do governo Flávio Dino (PCdoB) enfrenta, desde o domingo, 14, uma série de acusações de abandono de obras em rodovias estaduais no interior. E insiste em responder com respostas-padrão, afirmando já estar recuperando os trechos cobrados.

Essa história começou no domingo, quando a deputada Andrea Murad (PMDB) veio a público para denunciar que a MA-020, entregue totalmente construída em 2014, no fim do governo passado, está destruída por falta de manutenção. A parlamentar publicou uma série de fotos para mostrar a situação da rodovia no trecho Coroatá-Vargem Grande.

Na segunda-feira, 15, a Sinfra emitiu nota garantindo que iniciou a recuperação da estrada. Justificou que o trecho foi destruído por causa das carretas acima do peso, combinadas com as intensas chuvas na região.

Terça-feira, nova denúncia, desta vez na região da Baixada. O deputado Edilázio Júnior (PV) revelou que a MA-014 está completamente destruída; e lembrou que foi promessa do próprio Dino a manutenção completa da rodovia.

Ontem, a MA-020 voltou ao debate, quando o deputado Fábio Braga (SD), da base governista, voltou a denunciar a destruição do trecho entre Vargem Grande e Coroatá. O parlamentar governista lembrou que a rodovia é palco de tráfego de importantes caminhões que carregam a safra de grãos. As mesmas carretas que a Sinfra acusou pelo estrago.

Como se vê, na visão dos parlamentares, é a falta de ação do governo que está levando à destruição das rodovias. Mas para a Sinfra, todos eles estão errados.

Coluna Estado Maior

Momento de cada um…

por Jorge Aragão

Faltando menos de 14 meses para o início das convenções que vão definir os candidatos a governador no Maranhão, os principais nomes já postos à disputa como potenciais postulantes ao comando do estado vivem momentos quase parecidos, ainda que com diferenças de procedimento entre eles.

O momento de cada um:
Flávio Dino (PCdoB): o atual governador teve duas importantes ações que fortaleceram seu projeto na semana passada. O PSDB e o PT manifestaram claro interesse de estar em seu palanque, por mais estranho que isso possa parecer, já que as legendas são antagônicas.

Roseana Sarney (PMDB): em São Luís, há duas semanas, a ex-governadora mantém a rotina de conversar nos bastidores com lideranças políticas e partidárias. Ontem, estreou programa do PMDB na TV, em que mostra suas obras e serviços do tempo em que governou o estado.

Roberto Rocha (PSB): o senador recuou nos últimos dias, curiosamente no mesmo momento em que o seu principal antagonista na legenda, José Reinaldo Tavares, anunciou deixar o partido; único candidato assumido ao governo, Rocha entrou em compasso de espera.

Maura Jorge (PTN): ativa no interior do estado, a ex-deputada e ex-prefeita recebeu a garantia do comando do partido de que pode ser mesmo candidata; e está na propaganda partidária, como protagonista, ao lado do deputado federal Aluisio Mendes.

Há outros nomes se insinuando para a disputa, como o deputado estadual Eduardo Braide (PMN) e o prefeito de Santa Rita, Hilton Gonçalo (PCdoB). Mas os quatro primeiros se movimentam com mais ênfase.

Coluna Estado Maior

Implicações demais

por Jorge Aragão

Desde que anunciou que estava de saída do PSB – e logo em seguida anunciar-se pré-candidato a senador – o deputado federal José Reinaldo Tavares vive um périplo em busca de legendas que o abriguem para o pleito de 2018.

Mas há implicações demais no abrigo ao ex-governador. As legendas que topam encarar a candidatura do ainda socialista (ele não deixou oficialmente o PSB) não concordam com o seu projeto de aliança. Para o PSDB, por exemplo, José Reinaldo pode até ser um bom candidato, mas traz consigo o apêndice de ter que apoiar a reeleição do governador Flávio Dino (PCdoB) – que sequer dá bola para sua candidatura.

Além disso, as legendas de menor porte sentem a desconfiança que o ex-governador carrega consigo desde que decidiu romper com o seu grupo político, após assumir o Governo do Estado, em 2002.

Muitos entendem que Tavares busca legenda apenas para se eleger, sem compromisso ideológico com partido ou liderança.

Além do próprio nome, José Reinaldo tem pouco a oferecer nas negociações de aliança para uma chapa majoritária. Ele depende muito mais de aliados como o próprio Dino – ou como o presidente da Famem, Cleomar Tema Cunha – do que do seu próprio cacife.

Sabendo disso é que o ex-governador tenta viabilizar-se em uma legenda com peso suficiente para bancar seu nome ao Senado. Mas não abre mão de que seja por um único caminho. O que dificulta seu poder de articulação.

Coluna Estado Maior

Portas fechadas

por Jorge Aragão

O ex­-governador José Reinaldo Tavares teve duas conversas significativas antes de decidir lançar-­se candidato ao Senado.

Reuniu­se, primeiro, com o senador Agripino Maia, presidente do DEM. Depois, foi até São Paulo, para conversar com o governador Geraldo Alckmin, do PSDB.

Ambos garantiram legenda a Tavares para ser candidato a senador, mas impuseram a condição de não coligação com o PCdoB, de Flávio Dino.

Coluna Estado Maior

Entre PT e PSDB

por Jorge Aragão

O governador Flávio Dino (PCdoB) atuou como uma espécie de malabarista nas eleições de 2014, equilibrando-se entre o tucano Aécio Neves, que veio várias vezes a São Luís, durante o primeiro turno, e a petista Dilma Rouseff, escolhida por ele no segundo turno das eleições presidenciais, quando já estava eleito no Maranhão.

O governador parece achar que pode repetir a mesma estratégia em 2018. Ele não quer abrir mão do apoio do PSDB à sua candidatura, mas não cogita também ter o PT em outro palanque.

O problema é que a realidade de 2018 será completamente distinta de 2014. E os ânimos entre petistas e tucanos – com suas visões diferentes de governo – deverão estar em um nível quase insuperável de acirramento nas próximas eleições presidenciais.

Dino não governa um estado de peso eleitoral, como São Paulo ou Minas Gerais. Também não pertence a um partido com significância decisiva na formação de alianças. E sequer tem a mostrar uma gestão pujante, capaz de influenciar o eleitorado de fora do Maranhão.

Sonha, portanto, em querer continuar fazendo seus malabarismos entre dirigentes tucanos e petistas – ainda que muitos deles sonhem apenas com espaços garantidos no quinhão comunista.

Flávio Dino vai ter que escolher entre o PT e o PSDB em seu palanque, e já sabe disso. Tucanos têm alertado a cúpula nacional da presença de petistas com peso extra no palanque de Dino. E petistas têm ganhado cada vez mais peso à medida que o ex-presidente Lula mostra-se cada vez mais pronto para a disputa presidencial.

E quanto mais o comunista demorar na decisão de que lado escolher, mais vai criando condições para acabar perdendo os dois.

Coluna Estado Maior

Sobre pesquisas e estratégias

por Jorge Aragão

Há dois principais grupos cotados para a disputa eleitoral majoritária de 2018: o do atual governador Flávio Dino (PCdoB) e o da ex-governadora Roseana Sarney (PMDB). E ambos estão, a estas alturas da pré-campanha, em pleno monitoramento dos cenários, com levantamentos e pesquisas qualitativas que medem todos os aspectos da disputa.

E a reação de cada um dos postulantes é sintomática da situação em relação à opinião do eleitor maranhense.

Roseana, por exemplo, retornou entusiasmada de Brasília, há duas semanas; e passou a se reunir com lideranças partidárias da capital e do interior.

Nos últimos dias, conversou com deputados, prefeitos e dirigentes partidários.

Em contrapartida, sintomaticamente, Flávio Dino passou a construir uma agenda política de forte apelo eleitoral. Esteve na região do Munim, em conversa com vereadores, fez questão de participar da convenção que reconduziu o vice-governador Carlos Brandão à presidência do PSDB e já tem agenda marcada com vereadores de todos os municípios, no fim de maio.

São movimentos ainda incipientes no jogo eleitoral do ano que vem. Mas são os únicos grupos com estrutura para monitorar os movimentos do eleitor, construindo as agendas de acordo com a revelação que os números trazem.

E cada qual analisa a seu modo o gesto do adversário, a partir do que tem em mãos.

Coluna Estado Maior

Nem aí para ele

por Jorge Aragão

O governador Flávio Dino (PCdoB) poderia ter aproveitado a festa organizada pelo prefeito de Tuntum, Cleomar Tema (PSB), para mostrar que apoia a candidatura do ex-governador José Reinado Tavares (sem partido) ao Senado Federal. Mas ignorou, como tem feito desde o início do governo. Como tem ocorrido em todas as ações políticas de Tavares, Dino silenciou diante da manifestação pública em favor do seu padrinho político.

Desde que se declarou interessado na disputa pelo Senado, Tavares tem esperado uma declaração pública de Flávio Dino em seu favor, o que nunca ocorreu. E o comunista não pode nem dizer que evitou fazer uso político do governo, já que, no dia seguinte, lá estava ele na convenção que reconduziu o vice-governador Carlos Brandão ao comando do PSDB.

Não é de hoje que o presidente da Famem, Cleomar Tema, trabalha para viabilizar o nome de José Reinaldo. No dia da sua posse na Famem, ele já havia declarado que apoiaria o ex-governador ao Senado. Enquanto isso, Dino mostra-se calado.

Para representar o comunismo no encontro de Tema, foi enviado o presidente regional do PCdoB, Márcio Jerry, conhecido desafeto de José Reinaldo – e que, inclusive, já declarou apoio à candidatura do também deputado federal Weverton Rocha (PDT).

Os movimentos de Dino podem até ser para evitar desgastes antes da hora. Mas fica a impressão de que ele ignora a candidatura do seu padrinho político. Isso fica bem nítido.

Coluna Estado Maior